Operação Coreia do Norte reconstrói sítio de foguetes para a decepção de Trump

Por: AFP - Agence France-Presse

Publicado em: 07/03/2019 15:15 Atualizado em:

Foto: HO / SATELLITE IMAGE©2019 DIGITALGLOBE, A MAXAR COMPANY / AFP
Foto: HO / SATELLITE IMAGE©2019 DIGITALGLOBE, A MAXAR COMPANY / AFP
O local de lançamento de foguetes que a Coreia do Norte começou a desmontar como parte de sua reaproximação com os Estados Unidos está novamente "operacional", depois de ter sido rapidamente reconstruído por Pyongyang, correndo o risco de provocar novas tensões após o fracasso da cúpula entre Donald Trump e Kim Jong Un.

Com base em novas imagens feitas por satélite na quarta-feira, dois centros de análise, o Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais (CSIS) e o 38 North, afirmam que as instalações do Sohae (ou Tongchang-ri) "retornaram ao seu estado normal de operação".

Na véspera, dois centros de análise haviam informado, com base em imagens feitas no início de março, uma reconstrução que teria iniciado logo antes ou logo após a cúpula de Hanói, realizada no final de fevereiro, entre o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o líder norte-coreano Kim Jong Un.

Esse encontro foi uma  tentativa fracassada de concluir um acordo parcial sobre o desarmamento nuclear da Coreia do Norte. 

O presidente americano afirmou na quarta-feira que se sentia "muito, muito desapontado" com o líder norte-coreano se essa informação for confirmada. 

Uma advertência reiterada nesta quinta-feira por seu conselheiro para a segurança nacional, John Bolton. "Seria muito, muito decepcionante se eles tiverem tomado esta direção", declarou no canal Fox News. 

"Vamos estudar a situação com atenção. Olhar o que eles estão fazendo", garantiu, acrescentando ser muito cedo para tirar conclusões definitivas".

De acordo com especialistas da 38 North, a reconstrução de instalações, incluindo uma plataforma de lançamento e um local para os testes dos motores de foguete, foi feita em "um ritmo muito rápido". 

"Isso mostra que a Coreia do Norte pode rapidamente, sem hesitação, tornar reversíveis todas as medidas tomadas para desmantelar seu programa de armas de destruição em massa", afirmou o CSIS.

"Este é um desafio para o objetivo americano de uma desnuclearização definitiva, irreversível e verificável", acrescentou. 

Para os especialistas do CSIS, "as ações norte-coreanas são uma afronta à estratégia diplomática do presidente e demonstram o desafio da Coreia do Norte depois da recusa de Trump de levantar as sanções econômicas durante a sua reunião em Hanói".

Embora Pyongyang não tenha falado publicamente sobre suas atividades em Sohae, o regime denunciou, através de sua agência oficial de notícias KCNA, o exercício militar conjunto em andamento entre a Coreia do Sul e os Estados Unidos, ainda que significativamente reduzidos desde que Donald Trump decidiu acabar com as manobras em larga escala para reforçar o aquecimento das relações com o Norte. 

"As atividades ameaçadoras entre os exércitos sul-coreano e americano constituem uma violação injustificada à declaração conjunta entre os Estados Unidos e a Coreia do Norte e às declarações Norte-Sul", escreveu a agência.

As relações entre Washington e Pyongyang, que experimentaram um aquecimento espetacular no ano passado depois de meses de ameaças atômicas e insultos trocados por Donald Trump e Kim Jong Un, correm o risco de se degradarem rapidamente.

De acordo com o diretor da 38 North, Joel Wit, "muito depende da reação americana", mas "o perigo é o círculo vicioso, com cada lado tomando decisões que minam o processo em andamento desde a primavera".

O especialista teme, em particular, um teste de motor de foguete pelos norte-coreanos, para aumentar a pressão.

Porque se os dois líderes, que exibem sua "alquimia" desde sua primeira cúpula, em Singapura em junho, fingiram se despedir como bons amigos no Vietnã, nenhuma nova reunião entre seus negociadores foi fixada.

O chefe da diplomacia americana, Mike Pompeo, disse na segunda-feira que espera poder "enviar uma equipe a Pyongyang nas próximas semanas" para retomar as negociações, embora reconheça que "não obteve qualquer compromisso". 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.