Tensão Trump ataca democratas após início de investigações contra ele

Por: AFP - Agence France-Presse

Publicado em: 05/03/2019 16:53 Atualizado em:

Os democratas, que retomaram em janeiro a maioria na Câmara de Representantes, têm agora o controle de poderosas comissões e a faculdade de inciar investigações. Foto: SAUL LOEB / AFP
Os democratas, que retomaram em janeiro a maioria na Câmara de Representantes, têm agora o controle de poderosas comissões e a faculdade de inciar investigações. Foto: SAUL LOEB / AFP
Donald Trump atacou duramente os seus adversários democratas, nesta terça-feira (5), os quais acusou do "maior abuso de poder da história" dos Estados Unidos, depois que foram lançadas investigações parlamentares que ameaçam obstaculizar os dois últimos anos do mandato do presidente americano.

"Empreendem uma grande cruzada desesperada em busca de um crime, apesar de o verdadeiro crime ser que o que os democratas fazem", denunciou Trump no Twitter, onde também se chamou de "PRESIDENTE ASSEDIADO". 

Os democratas, que retomaram em janeiro a maioria na Câmara de Representantes, têm agora o controle de poderosas comissões e a faculdade de inciar investigações, uma possibilidade que parecem dispostos a aproveitar ao máximo.

Na segunda-feira anunciaram investigações sobre diversas questões, como as suspeitas de conluio entre Moscou e a equipe de campanha do bilionário republicano nas presidenciais de 2016, os pagamentos para silenciar supostas amantes e a análise das atividades de sua empresa familiar, a Organização Trump.

Em uma avalanche de cartas, a Comissão Judicial da Câmara de Representantes solicitou informações a 81 pessoas e entidades vinculadas a Trump, incluindo dois de seus filhos e seu genro, Jared Kushner. 

Em seus pedidos exigiram documentos que poderiam lançar luz sobre uma possível obstrução à Justiça e um abuso de poder por parte da administração e do próprio presidente.

E outras três comissões solicitaram à Casa Branca os relatórios detalhados sobre os encontros e as conversas entre Trump e seu homólogo russo, Vladimir Putin, mantidos em segredo até agora.

Os democratas já não estão dispostos a esperar as conclusões do procurador especial Robert Mueller, que há mais de dois anos investiga o tema russo.

As diferentes investigações podem ser complementares, explica a oposição.

- Derrota sobre a emergência nacional? - 
 
A Casa Branca, indignada com essas iniciativas, acusou os democratas de tentarem "desviar a atenção de seu programa radical", em referência à orientação de esquerda de cada vez mais membros do partido. 

Existe o risco de que os democratas vão longe demais e cansem, ou que gerem indignação no eleitorado moderado antes das eleições presidenciais e parlamentares de novembro de 2020. 

O próprio Trump parece convencido de que isso irá acontecer. Nesta terça-feira, lembrou no Twitter a sua alta taxa de popularidade entre os republicanos, superior a 90%, apesar de não ter citado a fonte desse dado.

Por enquanto, os líderes democratas insistem que não vão apresentar um processo de destituição, ou "impeachment", contra o presidente.  

Talvez recordem o "impeachment" lançado contra Bill Clinton pelos republicanos no final dos anos 1990. O Senado acabou absolvendo o então presidente democrata e, nas eleições parlamentares seguintes, foram os republicanos que perderam assentos.

Trump conta com o apoio do Senado, que segue nas mãos dos republicanos. Mas a Câmara alta  se divide quando o presidente toma suas decisões mais polêmicas e, sobretudo, quando pretende absorver as prerrogativas do Congresso. 

Isto poderia impedir o financiamento do trecho do muro que o presidente quer erguer na fronteira com o México para lutar contra a imigração ilegal. Para conseguir os fundos necessários, Trump declarou uma situação de emergência nacional, medida excepcional que permite evitar a aprovação do Congresso, o único que tem o poder de designar orçamento em tempos normais.

Após tentar dissuadir o presidente, o líder da maioria republicana no Senado, Mitch McConnell, reconheceu na segunda-feira que há rebeldes suficientes entre suas fileiras para bloquear o financiamento do muro, durante uma votação cuja data ainda não foi revelada.

A Câmara de Representantes já adotou essa resolução de desaprovação. Uma rejeição do Senado obrigaria Trump a impor o seu primeiro veto presidencial se quiser salvar o seu projeto de muro.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.