AJUDA HUMANITÁRIA Entregar ajuda à força na Venezuela teria 'consequências sérias' diz China

Por: AE

Publicado em: 22/02/2019 09:30 Atualizado em:

Foto: YURI CORTEZ / AFP
Foto: YURI CORTEZ / AFP
Porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Geng Shuang criticou nesta sexta-feira a iniciativa de alguns países, entre eles Estados Unidos e Colômbia, de enviar ajuda humanitária para a Venezuela, apesar do veto do presidente Nicolás Maduro. Segundo o funcionário de Pequim, isso poderia provocar "consequências sérias". "A China se opõe à intervenção na Venezuela e a qualquer comportamento que leve a tensões no país e mesmo provoque distúrbios", afirmou.

Geng disse que o governo da Venezuela "tem mantido calma" e feito esforços para "manter a paz doméstica e a estabilidade", a fim de evitar conflitos em larga escala. "Se a chamada 'ajuda humanitária' for entregue à força para a Venezuela, uma vez que um conflito violento for iniciado isso terá consequências sérias que não estão previstas por todas as partes", alertou o porta-voz do governo chinês.

Maduro rechaça a ajuda externa, que poderia entrar pela Colômbia e pelo Brasil, e vê na iniciativa uma estratégia para enfraquecê-lo e derrubar seu governo. Líder oposicionista e autodeclarado presidente interino, Juan Guaidó tem pressionado para que o auxílio entre no país. Guaidó é apoiado por vários países da região, como Brasil, Colômbia e EUA, enquanto Maduro continua a ter o aval de China, Rússia e Turquia.

Ontem, Maduro anunciou o fechamento da fronteira terrestre com o Brasil e disse que pode fazer o mesmo com a fronteira colombiana.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.