histórico Os turbulentos anos da Venezuela de Maduro

Por: AE

Publicado em: 23/01/2019 17:17 Atualizado em:

Foto: YURI CORTEZ/AFP
Foto: YURI CORTEZ/AFP
Protestos mortais, uma suposta tentativa de magnicídio, opositores presos, colapso econômico e pressão internacional crescente: a Venezuela tem vivido um turbulento período durante o governo de Nicolás Maduro, que nesta quarta-feira (23) mede forças com a oposição nas ruas.

Veja a seguir os momentos mais importantes:

- 2013: O herdeiro -
O líder socialista Hugo Chávez, presidente desde 1999 e fundador da "revolução bolivariana", morre em decorrência de um câncer em 5 de março de 2013. 

Maduro, ungido por Chávez como seu substituto, vence as eleições presidenciais em 14 de abril com 50,62% dos votos, apenas 1,5 ponto à frente do opositor Henrique Capriles, que impugnou o escrutínio.

- 2014: O primeiro desafio -
Em 2014, liderada por Leopoldo López, a oposição realiza manifestações para exigir a saída de Maduro, com um balanço de 43 mortos em quatro meses.

López é detido em fevereiro deste ano e condenado em 2015 a quase 14 anos de prisão, acusado de incitar a violência. Desde agosto de 2017 está em prisão domiciliar.

Os preços do petróleo - que geram 96% das divisas do país - caíram a menos da metade, agravando a escassez de alimentos e remédios.

- 2015: A maior derrota -
Em março, os Estados Unidos impõem as primeiras sanções contra funcionários venezuelanos acusados de violar os direitos humanos.

Em dezembro, em meio ao agravamento da crise, a coalizão opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD) desfere ao chavismo a maior derrota eleitoral de sua história, vencendo a maioria qualificada do Parlamento.

- 2016: Choque de poderes - 
Assim que a oposição assumiu o controle do Legislativo em janeiro, este foi declarado em desacato e suas decisões anuladas pelo Tribunal Supremo de Justiça (TSJ).

Durante quase todo o ano de 2016, a oposição tentou revogar o mandato de Maduro por meio de um referendo.

Mas o poder eleitoral e a Justiça - de linha governista - o frearam, alegando fraude no recolhimento das assinaturas para solicitá-lo.

- 2017: Protestos e Constituinte -
O TSJ fica responsável pelas faculdades do Parlamento e em 1º de abril explodem os protestos que deixaram 125 mortos em quatro meses. 

Em 30 de julho realizam uma questionada eleições de uma Assembleia Constituinte com poder absoluto e totalmente governista, substituindo, na prática, o Parlamento e que não foi reconhecida por vários governos. Os protestos cessam.

Washington aprova sanções financeiras contra a Venezuela e a sua petroleira Pdvsa, declarados depois em moratória parcial.

O chavismo tem um ótimo resultado nas eleições de governadores de outubro e nas municipais de dezembro. A oposição denuncia uma fraude, embora não tenha participado das últimas.

- 2018: Reeleição -
Diante de uma oposição rachada, a Constituinte decidiu em janeiro adiantar as presidenciais.

Fracassa um diálogo entre a oposição e o governo sobre garantias eleitorais e as autoridades fixam a votação para 20 de maio.

A MUD decide boicotá-la, acrescentando que é uma "fraude". O opositor Henri Falcón, dissidente do chavismo, se afasta e lança a sua candidatura.

Os Estados Unidos, vários países da América Latina e a União Europeia não reconhecem as eleições.

Maduro foi reeleito com 68% dos votos e registra-se a maior abstenção em presidenciais (52%) na história democrática venezuelana.

Enquanto isso, a produção petroleira a cai aos níveis mais baixos em três décadas (1,4 milhão de barris por dia).

Em 4 de agosto, o presidente denuncia uma tentativa de magnicídio com dois drones que explodiram perto do palanque onde comandava uma parada militar.

Maduro culpou o deputado opositor exilado Julio Borges, o então presidente colombiano Juan Manuel Santos e os Estados Unidos. Vinte e cinco pessoas foram detidas.

- 2019: Segundo mandato -
Em 10 de janeiro, Maduro assume um segundo mandato que não é reconhecido por boa parte da comunidade internacional.

Em 23 de janeiro, convocados pelo chefe do Parlamento, Juan Guaidó, dezenas de milhares de opositores se manifestam em Caracas e outras cidades para pressionar por um "governo de transição" e novas eleições, e que os militares rompam com Maduro.

O chavismo também mobilizou milhares de partidários para defender o presidente e denunciar um suposto plano dos Estados Unidos para derrubá-lo.

Em 15 de janeiro, o Legislativo declara formalmente Maduro como "usurpador" da Presidência.

Em 23 de janeiro, durante um discurso diante de milhares de opositores em Caracas, Guaidó se autoproclama presidente interino da Venezuela.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.