Pontífice Papa Francisco 'está muito sozinho' na luta contra abusos, diz vítima chilena Primeiras denuncias do clero chileno surgiram em 2011, mas punição só ocorreu no ano passado com o Papa Francisco à frente da Igreja Católica

Por: AFP - Agence France-Presse

Publicado em: 02/01/2019 16:47 Atualizado em:

Papa demitiu diversos representantes do clero no Chile. Foto: TIZIANA FABI / AFP
Papa demitiu diversos representantes do clero no Chile. Foto: TIZIANA FABI / AFP
O papa Francisco "está muito sozinho" em sua luta para erradicar os abusos sexuais na Igreja, afirmou uma das vítimas chilenas que ajudou a revelar as práticas de abusos no clero local.

O jornalista Juan Carlos Cruz, o filósofo José Andrés Murillo e o médico James Hamilton denunciaram, há oito anos, os abusos do influente sacerdote católico Fernando Karadima, condenado em 2011 pelo Vaticano pelo abuso sexual de menores.

Mas, em 2018 - após uma polêmica visita do papa Francisco ao país em janeiro -, anunciou-se o fim da chamada "cultura de abusos" da Igreja chilena, que resultou na demissão de sete bispos, na expulsão do sacerdócio de outros dois bispos eméritos e dos sacerdotes Fernando Karadima e Cristián Precht.

Francisco pediu perdão publicamente pelos abusos cometidos pela Igreja chilena, convocou de urgência a Roma toda a Conferência Episcopal e recebeu no Vaticano os três denunciantes do caso Karadima.

"Nós não podemos ser a exceção; isso tem que a norma do comportamento do papa e da hierarquia da Igreja em geral com as vítimas", afirmou Cruz em um encontro nesta quarta-feira com jornalistas de veículos estrangeiros em Santiago. Ele, Hamilton e Murillo foram escolhidos como "Personagens do ano 2018" no Chile pela revolução que suas denúncias provocaram na Igreja local. 

"Acho que o papa está tentando de todo coração (fazer mais mudanças). Contudo, acho que não com a rapidez que a gravidade dos fatos requer", acrescentou Cruz, referindo-se a temas ainda pendentes, como o esperado afastado do atual arcebispo de Santiago, o cardeal Ricardo Ezzati, condenado pela Justiça pelo crime de acobertamento de abuso sexual.

As denúncias de abuso sexual tiveram forte impacto  no país . Uma pesquisa recente revelou que o número de chilenos de declaram professar a religião católica caiu em 14 pontos, a 55% da população.

- Solidão do papa -
Motivado pelo caso do Chile, Francisco empreendeu uma cruzada contra abusos sexuais em todo o mundo. Na sexta-feira, o pontífice prometeu não deixar essas "abominações" impunes na Igreja.

Entretanto, o pontífice encontrou muitos obstáculos nesta tarefa, segundo Cruz. "Me impressionou a quantidade de gente que rema contra o papa em seu entorno, e isso é tremendo e doloroso (...) O papa está muito sozinho", garante o jornalista, que forjou uma relação próxima do pontífice argentino.

Para José Andrés Murillo, a Igreja "corre sério risco de desaparecer" se não introduzir algumas mudanças, como permitir a entrada de mulheres. 

"É muito difícil que a confiança na Igreja seja recuperada se não houver uma ação radical, profunda, que retome sua vocação espiritual, sua vocação ética provavelmente também, e deixe de lado sua votação política e sectária", afirmou Murillo, que dirige a Fundação para a Confiança no Chile, dedicada à ajuda a vítimas de abusos. 

O papa convocou ao Vaticano no fim de fevereiro os presidentes das conferências episcopais de todo o mundo para uma cúpula sobre a "proteção aos menores". Para se prepararem, os participantes terão que se reunir com vítimas de abusos sexuais cometidas por membros do clero em seus respectivos países.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.