Conflito Crise no MP do Peru por caso Odebrecht se intensifica Dois procuradores do país se recusaram a substituir seus pares afastados da investigação

Por: AFP - Agence France-Presse

Publicado em: 02/01/2019 15:54 Atualizado em: 02/01/2019 15:59

Crise interna do Peru se agravou neste quarta-feira (02). Crédito: Fotos Públicas.
Crise interna do Peru se agravou neste quarta-feira (02). Crédito: Fotos Públicas.
A crise interna no Ministério Público do Peru se intensificou nesta quarta-feira (2), após a recusa de dois procuradores de substituir seus pares afastados da investigação dos supostos vínculos ilícitos entre a empreiteira brasileira Odebrecht e ex-presidentes da República.

"Hoje apresentamos, pelo bem da instituição (...) e para que as investigações não sejam prejudicadas, nossa renúncia ao cargo", disse à imprensa o procurador Marcial Páucar, que tinha sido nomeado com Frank Almanza na segunda-feira, quatro horas antes do fim do ano, pelo questionado procurador-geral Pedro Gonzalo Chávarry.

O surpreendente afastamento dos procuradores do caso Odebrecht, Rafael Vela e José Domingo Pérez, desencadeou uma onda de protestos populares e motivou o presidente Martín Vizcarra a pedir para o Congresso declarar o Ministério Público em estado de emergência nesta terça-feira.

A decisão dos procuradores Frank Almanza e Marcial Páucar de renunciar a integrar a equipe que investiga a Odebrecht também foi uma surpresa. Eles tinham aceitado sua designação na segunda-feira.

Predomina a impressão de que Chávarry acabará beneficiando a impunidade com a retirada dos procuradores nomeados em julho passado. 

Chávarry é questionado porque se considera que a retirada de Vela e Pérez boicota um acordo judicial de colaboração eficaz (delação premiada) entre o MP brasileiro e os procuradores peruanos despedidos para que os executivos da Odebrecht entreguem provas documentais de supostos pagamentos a políticos locais em troca de favores.

O acordo passaria a valer em  11 de janeiro, com um depoimento, em São Paulo, do ex-diretor da Odebrecht no Peru, Jorge Barata.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.