condenação China condena ex-chefe de contraespionagem à prisão perpétua por corrupção O tribunal popular intermediário da cidade de Dalian, na província de Liaoning, considerou que Ma Jian cometeu crimes de corrupção, extorsão e uso de informação privilegiada. Também foram revogados seus direitos políticos, e seus bens, confiscados

Por: AFP - Agence France-Presse

Publicado em: 27/12/2018 10:34 Atualizado em:

Foto: Joel Saget / AFP
Foto: Joel Saget / AFP
Considerado ex-chefe de contraespionagem da China, Ma Jian foi condenado à prisão perpétua por corrupção, nesta quinta-feira (27/12) - anunciou um tribunal do nordeste da China. Detido em 2015, Ma Jian, ex-alto funcionário do Ministério da Segurança do Estado e considerado o homem que controlou durante vários anos os poderosos serviços de espionagem e contraespionagem, foi declarado culpado, especialmente porque aceitou subornos.

O tribunal popular intermediário da cidade de Dalian, na província de Liaoning, considerou que Ma cometeu crimes de corrupção, extorsão e uso de informação privilegiada. Também foram revogados seus direitos políticos, e seus bens, confiscados.

O condenado disse que não vai recorrer da decisão, segundo um comunicado do tribunal. Ma Jian caiu em desgraça após uma investigação generalizada sobre outros altos cargos dos aparelhos de segurança chineses, especialmente sobre Zhou Yongkang, então responsável pelo Ministério de Segurança e chefe de Ma em 2012.

Segundo o veredicto publicado hoje, depois de uma audiência a portas fechadas em 16 de agosto, Ma Jian aproveitou suas funções como ministro adjunto para beneficiar empresas controladas pelo magnata foragido Guo Wengui. Em troca, aceitou mais de 109 milhões de iuanes (cerca de 14 milhões de euros) em bens.

Guo Wengui, que pediu asilo nos Estados Unidos, é muito crítico do presidente chinês, Xi Jinping, que lançou, desde sua chegada ao poder em 2012, uma campanha anticorrupção. Até agora, mais de 1,5 milhão de funcionários do regime comunista foram punidos.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.