endividamento Cuba admite que não poderá pagar todas suas dívidas em 2019 Recentemente, parte da dívida de Cuba com o Brasil entrou em moratória, enquanto outra parcela está atrasada, em financiamentos relacionados à construção do porto de Mariel e à compra de alimentos

Por: AFP - Agence France-Presse

Publicado em: 21/12/2018 17:10 Atualizado em:

Foto: Reprodução / Pixabay
Foto: Reprodução / Pixabay
O governo cubano admitiu nesta sexta-feira (21) que não terá capacidade de cumprir todos os seus compromissos de dívida em 2019, devido a complicações econômicas internas, mas afirmou que serão estabelecidas prioridades de pagamento.

"No ano de 2019, vamos usar menos créditos que a dívida que estamos planejando pagar, que não é toda a que temos. Há um nível de dívida que não vamos poder pagar no ano que vem que afeta o desempenho da economia", disse o ministro da Economia, Alejandro Gil, em sessão da Assembleia Nacional na qual são discutidos planos para o ano que vem.

"O nível de endividamento com o qual a economia está operando, a economia é alto e nos gera tensões no dia a dia. estivemos buscando soluções pontuais, mas isso afeta o desempenho harmônico da economia", comentou.

Gil garantiu que o governo estabelecerá "um nível de prioridade" para seus compromissos e explicou que o montante da dívida que Cuba pagará vai ser levemente superior ao montante de novos créditos que vão tomar, "o que significa que não vamos ampliar o nível de endividamento".

Recentemente, parte da dívida de Cuba com o Brasil entrou em moratória, enquanto outra parcela está atrasada, em financiamentos relacionados à construção do porto de Mariel e à compra de alimentos.

Havana justifica esses atrasos pelos efeitos do furacão Irma em suas colheitas e pela intensificação do embargo aplicado pelos Estados Unidos, que dificulta suas operações financeiras internacionais.

Cuba conseguiu renegociar com sucesso grande parte de sua dívida externa, principalmente com o clube de Paris. Atualmente, a União Europeia é seu maior parceiro comercial.
 
Gil detalhou que 24,5% de suas importações são para projetos de investimento. "Isso mostra que não estamos detendo e o desenvolvimento e estamos apostando em setores estratégicos", comentou.

"A tarefa é que cada dólar que nos emprestem para fazer um investimento possamos devolver no tempo indicado a partir do rendimento desse próprio investimento. Está desenhado assim o plano para o ano que vem", afirmou Gil.

O governo informou que a economia cresceu 1,2% em 2018, em meio à escassez de farinha - cujo fornecimento já está se normalizando - e alimentos como ovos, além de complicações no transporte público. 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.