veto Procurador especial rejeita prisão para ex-conselheiro de Trump Flynn se declarou culpado de ter mentido para o FBI, principalmente sobre suas conversas com o embaixador russo nos Estados Unidos, Sergei Kislyak

Por: AFP - Agence France-Presse

Publicado em: 05/12/2018 10:13 Atualizado em:

Foto: Brendan Smialowski / AFP
Foto: Brendan Smialowski / AFP
Encarregado de investigar se houve um conluio entre a campanha de Donald Trump e a Rússia, o procurador especial dos Estados Unidos, Robert Mueller, recomendou na terça-feira (4/11) uma sentença sem prisão para Michael Flynn, agora ex-conselheiro de Segurança Nacional do presidente, por sua "ajuda substancial" no caso.

"Dada a ajuda substancial do acusado e outras considerações detalhadas na sequência, uma sentença no extremo inferior da escala prevista - incluindo uma sentença que não impõe um período de detenção - é apropriada e está justificada", justificou Mueller na alegação judicial.

Assessor de Trump na campanha presidencial de 2016 e ex-conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca durante 22 dias, em 2017 Flynn se declarou culpado de ter mentido para o FBI, principalmente sobre suas conversas com o embaixador russo nos Estados Unidos, Sergei Kislyak.

"O acusado ajudou várias investigações em curso", explicou Mueller no documento judicial, referindo-se à investigação "em relação aos vínculos, ou à coordenação entre o governo russo e as pessoas associadas com a equipe de campanha do presidente Donald J. Trump".

Flynn é conhecido por sua indulgência para com a Rússia e por sua posição de linha-dura com o extremismo islâmico. Durante a campanha presidencial de 2016, Flynn estimulou a multidão a gritar "Calada!" a cada alusão à então candidata democrata, Hillary Clinton.

Flynn se viu obrigado a renunciar poucas semanas depois de sua nomeação na Casa Branca, onde ocupou um dos postos mais influentes, assessorando o presidente sobre assuntos de diplomacia e de segurança. "Os fatos que admiti hoje no tribunal constituem um grave erro", reconheceu, após ser acusado em dezembro de 2017. "Aceito toda responsabilidade das minhas ações", acrescentou.

18 meses de investigação
A pergunta sobre se a cooperação de Flynn pode ser uma ameaça para o presidente Trump paira sobre a Casa Branca. Até agora, passados 18 meses de investigação, o procurador Mueller não apresentou qualquer prova tangível de conluio entre a equipe de campanha do magnata nova-iorquino e Moscou.

Trump parece cada vez mais indignado com esta investigação que contamina seu mandato. O presidente lança duras críticas a Mueller, denunciando com frequência uma "caça às bruxas".

Sinal de que a investigação pode acabar em breve, o presidente respondeu por escrito, em 20 de novembro, as perguntas do procurador especial.

No documento judicial publicado ontem à noite, o procurador especial disse que Flynn ajudou sua equipe "em uma variedade de temas, incluindo as interações entre as pessoas da equipe de transição do presidente e a Rússia".

O documento explica que Flynn contou aos investigadores sobre seus contatos com o embaixador russo nos Estados Unidos para tratar de uma resolução do Conselho de Segurança da ONU sobre Israel e as sanções por ingerência impostas pelo governo Barack Obama. A conversa aconteceu quando Flynn estava à frente da equipe de transição. "A decisão do acusado de se declarar culpado e de cooperar provavelmente influíram nas decisões das testemunhas convocadas de virem e cooperarem", conclui o texto de Mueller.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.