Animosidade Trump critica desempenho de secretária de segurança interna Presidente dos EUA vem discutindo possíveis sucessores para cargos na secretaria, afirmaram autoridades da Casa Branca na semana passada, em meio a mudanças mais amplas na administração

Por: AE

Publicado em: 18/11/2018 20:56 Atualizado em: 18/11/2018 21:12

Foto: AFP / SAUL LOEB
Foto: AFP / SAUL LOEB

O presidente de EUA, Donald Trump indicou não estar satisfeito com o desempenho de dois altos funcionários, dizendo que quer que a secretária de Segurança Interna Kirstjen Nielsen seja "muito mais dura" e que o maior defensor de Nielsen, o chefe de gabinete John Kelly, não tem certas habilidades profissionais.

Trump vem discutindo possíveis sucessores para ambos, afirmaram autoridades da Casa Branca na semana passada, em meio a mudanças mais amplas na administração. Neste mês, Trump demitiu o procurador-geral Jeff Sessions, em meio a uma duradoura animosidade entre os dois, e exonerou a vice-conselheira de segurança nacional Mira Ricardel, que havia entrado em confronto com a equipe da primeira-dama Melania Trump.

Trump tem ficado particularmente insatisfeito com a questão da imigração, um de seus principais temas de campanha, e criticou particularmente Nielsen pelo que considera um fracasso em reduzir suficientemente o número de imigrantes que buscam asilo nos EUA devido à violência na América Central. "Eu a respeito muito. Ela é muito inteligente", disse Trump sobre Nielsen em uma entrevista que foi ao ar neste domingo na Fox. "Quero que ela fique muito mais dura e vamos ver o que acontece lá. Mas eu quero ser extremamente duro."

Kelly, que tentou salvar o emprego de Nielsen, é visto como potencialmente de saída, se Nielsen fizer o mesmo. Questionado sobre o assunto, Trump foi evasivo. Ele já havia dito que Kelly permaneceria no cargo até 2020, mas não respondeu diretamente quando perguntado se ainda era o caso. "Olhe, nos damos bem", disse Trump à Fox. "Há certas coisas que eu amo que ele faz. E há certas coisas que eu não gosto que ele faz - que não são a sua força. Não é que ele não faça - você sabe que ele trabalha duro. Ele está fazendo um excelente trabalho de muitas maneiras. Há algumas coisas em que não é apenas sua força. Não é culpa dele, não é a força dele." E acrescentou: "John, em algum momento, vai querer seguir em frente. John vai seguir em frente".

Na entrevista, Trump também defendeu seu tom frequentemente combativo, dizendo que isso o ajudou a alcançar sucessos políticos. "Acho que, se eu fosse muito diferente, não teria conseguido o que tínhamos para conseguir", disse Trump, listando os cortes de impostos e a desregulamentação entre suas realizações. "O tom é algo que é importante para mim. Mas muitas vezes você não pode praticar porque tem pessoas chegando até você com tanta força que, se você não reagir de maneira um tanto vigorosa, você não vai ganhar. E nós temos que vencer. Este país tem que vencer."



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.