Posicionamento Para futuro chanceler, Europa significa 'um espaço culturalmente vazio' Textos acadêmicos escritos pelo futuro chanceler brasileiro, Ernesto Araujo, passaram a circular pela comunidade diplomática em Bruxelas nesta quinta-feira

Por: AE

Publicado em: 15/11/2018 14:38 Atualizado em:

Textos acadêmicos escritos pelo futuro chanceler brasileiro, Ernesto Araujo, passaram a circular pela comunidade diplomática em Bruxelas nesta quinta-feira, 15, deixando autoridades da UE preocupadas com a postura que o novo governo brasileiro adotará em relação aos europeus. Num deles, o novo ministro diz que a Europa significa hoje "apenas um conceito burocrático e um espaço culturalmente vazio regido por "valores abstratos".

Suas críticas foram publicadas nos Cadernos de Política Exterior do Instituto de Pesquisa de Relações Internacionais (IPRI), no segundo semestre de 2017. No texto, ele sai em defesa das políticas de Donald Trump e seu papel em "salvar" o Ocidente.

No Parlamento Europeu, a notícia sobre o novo ministro também foi recebida com "cautela".

Nos bastidores da Comissão Europeia, o Estado apurou que a escolha do novo chanceler foi recebida como uma confirmação de que o governo brasileiro buscará uma aliança estratégica com os EUA. Diante da vitória de Bolsonaro, Bruxelas passou a tentar avançar nas negociações para a criação de um acordo comercial com o Brasil, antes do final do governo de Michel Temer.

Oficialmente, porém, a ordem é a de mostrar o compromisso com Brasília. "A UE e o Brasil têm uma parceria de longa data na esfera internacional em muitas áreas, tais como paz e segurança, comércio, ciência e tecnologia, energia, clima e direitos humanos", indicou a Comissão em um comunicado. "Não prejulgamos as ações que o futuro ministro de Relações Exteriores tomará uma vez no trabalho e trabalharemos para fortalecer nossa parceria com o novo governo", declarou.

Mas trechos de seu texto chamaram a atenção nos corredores em Bruxelas, principalmente diante das críticas em relação à construção da UE. Nele, o futuro chanceler aponta que "a fundação da União Europeia anulou, pasteurizou todo o passado". "Os europeus de hoje podem até estudar sua história, mas não a vivem como um destino, muito menos a celebram, nem a entendem como "sua", não veem nela um sentido nem um chamado", escreveu.

"É interessante ler lado a lado os historiadores europeus que escrevem hoje sobre a Grécia e Roma, por exemplo, ou sobre qualquer outro assunto, e aqueles que escreviam no século XIX, antes do grande cataclisma, da grande desnacionalização do Ocidente a partir da 1ª Guerra", disse.

"Aqueles de então viam-se claramente dentro da história que contavam, participavam, falavam com a paixão e o empenho de quem sente, de quem conhece as pessoas de que fala, eram íntimos de Péricles e Godofredo de Bulhões", apontou. "Os de hoje escrevem uma história fria, seus personagens não têm vida, são meras figuras esquemáticas, parece que estão escrevendo história por obrigação, nenhum sentimento do destino ou do mistério os conduz não têm imaginação, não conseguem ver-se a si mesmos empunhando uma lança na falange macedônia ou içando as velas na Santa Maria", destacou.

"Já os historiadores norte-americanos de hoje - pelo menos alguns deles, os que escrevem para o grande público e não para a academia - parecem-se àqueles europeus do século 19, pois ainda contam a história americana como uma história de carne e osso, uma história que consegue comunicar o presente com o passado", comparou.

"A Europa pós-moderna - junto com os Estados Unidos que, até Obama, cada vez mais se assemelhavam à Europa - viviam ultimamente numa espécie de tanque de isolamento histórico, viviam já fora da história, depois da história, num estado de espírito (ou falta de espírito) onde o passado é um território estranho", escreveu.

"Os europeus de hoje não sentem mais que façam parte da mesma história que seus antepassados, como sentiam até o começo do século XX", disse.

"Já não se percebem como atores do mesmo drama que colocou em cena os cretenses e seu minotauro, os aqueus às portas de Troia, Eneias caindo de joelhos ao entender que o Lácio era sua terra prometida (salve fatis mihi debita tellus), Salamina e as Termópilas, Alexandre em busca da imortalidade, Aníbal com seus elefantes às portas de Roma, as legiões chegando à Lusitânia e maravilhando?se ao contemplar pela primeira vez as ondas majestosas do Atlântico, o logos de Heráclito e o logos de São João, São Paulo pregando o Cristo-Deus, o sonho de Constantino, a conversão dos germanos e a conversão dos vikings, a cruzada dos barões e a dos eremitas, São Francisco com os passarinhos ao ombro, Percival e o Rei Artur, a partida das caravelas, as teses de Lutero, a Bastilha e a Vendeia, Napoleão batido pelo inverno, Lourdes e Fátima, Sédan e Verdun, Omaha Beach", escreveu.

"Nada disso significa mais nada para um europeu - é como se ele houvesse deixado o palco e sentado?se na plateia, "já não é comigo", apontou o futuro chanceler.

"Só quem ainda leva a sério a história do Ocidente, só quem continua sendo ator e não mero espectador, são os norte-americanos, ou pelo menos alguns norte-americanos. Hoje, é muito mais fácil encontrar um ocidentalista convicto no Kansas ou em Idaho do que em Paris ou Berlim", completou.

Pressão extra

Entre pessoas próximas à Comissão, os comentários do futuro chanceler podem representar uma pressão extra sobre a UE, que já sofre uma cobrança por parte sociedade civil e deputados para que o acordo com o Mercosul seja suspenso. Em nome de parlamentares de partidos socialistas, o francês Emmanuel Maurel emitiu na semana passada uma carta para a Comissão Europeia cobrando uma suspensão do diálogo com o Mercosul.

"A Comissão sempre diz que os acordos de parceria da UE são baseados em valores democráticos, humanistas e progressivos", escreveu. "Bolsonaro representa o polo oposto de todos esses princípios básicos", acusou.

"Os discursos dele (Bolsonaro), abertamente contra mulheres, homossexuais, pretos e populações nativas, sua política com base na força militar, suas gangues armadas intimidando, agindo de forma volta e assassinatos, suas declarações sobre a saída do Brasil do Acordo de Paris e a abertura da Amazônia para a agricultura são incompatíveis, ao meu ver e na visão dos democratas, com os valores da UE", declarou.

"Quando é que a Comissão anunciará a total paralisação das negociações com o Mercosul?", cobrou o deputado. "Ela vai declarar que, dada a situação, não haverá uma negociação separada com o Brasil?", atacou.

Minutas da reunião mantida na última sexta-feira entre os ministros europeus de Comércio ainda revelam a pressão feita pelas ONGs europeias do setor de proteção animal contra o acordo. "Sob as atuais condições do Brasil, sinais relacionada com a sociedade civil e a vontade política para cooperar são claramente negativas e, portanto, acreditamos que a UE não deve entrar em um compromisso de longo prazo com o Brasil, salvo se souber quais são as reais intenções do novo governo", indicou a minuta do encontro, citando as ONGs. "Precisamos de tempo para saber para onde o Brasil irá", declararam.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.