armamento Alemanha sugere limitar vendas de armas à Arábia Saudita Segundo o ministro da Economia da Alemanha, os países não devem assinar novos contratos até que Riad explique o homicídio do jornalista saudita

Por: AFP - Agence France-Presse

Publicado em: 22/10/2018 08:47 Atualizado em:

O assassinato de Khashoggi provocou um novo debate em vários países sobre as relações com Riad. Foto: MOHAMMED AL-SHAIKH / AFP
O assassinato de Khashoggi provocou um novo debate em vários países sobre as relações com Riad. Foto: MOHAMMED AL-SHAIKH / AFP
O ministro da Economia da Alemanha, Peter Altmaier, pediu nesta segunda-feira aos países europeus que não assinem novos contratos de venda de armamento com a Arábia Saudita até que Riad explique totalmente o homicídio do jornalista Jamal Khashoggi.

"Apenas se todos os países europeus chegarem a um acordo poderemos pressionar o governo de Riad", afirmou Altmaier ao canal ZDF, antes de afirmar que "as explicações apresentadas até agora não são satisfatórias". "Não acontecerá nenhum efeito positivo se apenas nós interrompermos as exportações e, ao mesmo tempo, outros países completarem o que não vendemos", disse. O ministro conservador (CDU) fez referência à decisão da chanceler Angela Merkel de não autorizar novas exportações de armas para a Arábia Saudita, sem que isto afete as vendas já aprovadas. 

A Alemanha autorizou entre janeiro e setembro exportações de armamento para a Arábia Saudita no valor de 416,4 milhões de euros. As exportações de armas alemãs são menores em comparação às da Grã-Bretanha e França, que até agora não anunciaram planos para modificar sua política na área. O assassinato de Khashoggi provocou um novo debate em vários países sobre as relações com Riad. O primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau, afirmou que não descarta a possibilidade de seu país canceler um importante contrato de armas com a Arábia Saudita.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.