Decisão Secretário dos EUA considera prematuro discutir sanções contra Arábia Saudita Declaração foi dada após a polêmica envolvendo o assassinato do jornalista saudita Jamal Khashoggi, que escrevia para o Washington Post, e desapareceu após ir à embaixada de seu país

Por: Agência Estado

Publicado em: 21/10/2018 13:40 Atualizado em:

O secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Steven Mnuchin, disse nesse domingo (21) considerar que é "prematuro" discutir sanções contra a Arábia Saudita antes que esteja completa a investigação sobre o assassinato do jornalista Jamal Khashoggi. Mnuchin concedeu entrevista a jornalistas em Jerusalém, de onde inicia uma visita ao Oriente Médio, e disse que vai visitar a Arábia Saudita para solidificar uma campanha de pressão contra o Irã. 

O secretário do Tesouro considerou que as respostas sauditas até o momento são um "bom primeiro passo", embora tenha afirmado que não há informações suficientes ainda. Na avaliação de Mnuchin, todos desejam mais respostas sobre o desaparecimento do jornalista. 

Os sauditas disseram na sexta-feira que Khashoggi, um crítico do governo que vivia nos EUA, morreu após uma briga no consulado da Arábia Saudita em Istambul, em 2 de outubro. Khashoggi estava no consulado para documentos relacionados ao casamento. A declaração saudita disse que 18 cidadãos sauditas estão detidos até os resultados finais de uma investigação. O presidente norte-americano Donald Trump disse mais tarde que o assassinato foi "inaceitável", mas considerou a resposta saudita crível. 

A viagem de Mnuchin ao Oriente Médio mostra a linha tênue com que o secretário do Tesouro tenta trabalhar enquanto o governo Trump cultiva um relacionamento estratégico com a Arábia Saudita para apoiar seus objetivos na região. Muitos dos principais líderes financeiros e autoridades mundiais têm se afastado do reino e de seu príncipe, Mohammed bin Salman, após a morte de Khashoggi. 

A Arábia Saudita é o principal desafiante ao poder do Irã na região e um fornecedor crucial de petróleo. O reino saudita deve ainda ter um papel crítico em trazer os palestinos para a mesa de negociações em qualquer acordo de paz que venha a ser firmado com Israel, importante aliado dos EUA.

A decisão de Mnuchin de manter sua visita à Arábia Saudita durante uma viagem a seis países do Oriente médio ocorre a poucos dias do prazo para que sanções mais duras dos Estados Unidos contra o Irã entrem em vigor em novembro. O plano exige cooperação entre os países para ser eficaz. Como a economia mais importante do oriente Médio e sede de duas das mais sagradas mesquitas do Islã, a Arábia Saudita tem um papel importante de influência sob outros países da região. O reino tem sido ainda instado a aumentar a produção de petróleo para ofuscar uma queda nas exportações iranianas. 

Mnuchin afirmou a jornalistas que a visita à Arábia Saudita teria como foco o Irã. Ele disse ainda que os sauditas estão comprometidos com o aumento na produção de petróleo para compensar perdas com a redução das exportações do Irã e considerou que a visita ao reino marca um relacionamento de longo prazo dos EUA com os sauditas. Fonte: Dow Jones Newswires.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.