Impasse Congresso dos EUA se divide sobre fala de Trump contra tratado para armas A divisão também tomou conta dos aliados na Europa: O Reino Unido disse estar "absolutamente resoluto" no apoio aos EUA enquanto a Alemanha classificou o ato de Trump como "lamentável"

Por: Agência Estado

Publicado em: 21/10/2018 13:03 Atualizado em:

Membros do Congresso dos Estados Unidos não chegaram a uma resposta comum sobre a intenção anunciada pelo presidente norte-americano Donald Trump de retirar os Estados Unidos do tratado de controle de armas nucleares com a Rússia. As reações entre parlamentares no país se dividiram entre declarações como: "grande, grande erro" a "certamente, o movimento correto". 

Trump afirma que sua intenção de deixar o acordo é uma resposta a anos de violações por parte de Moscou no desenvolvimento de armas proibidas. "Não seremos os únicos a aderir", disse. O Kremlin afirmou que o abandono do acordo seria "um passo muito perigoso". 

A divisão também tomou conta dos aliados na Europa: O Reino Unido disse estar "absolutamente resoluto" no apoio aos EUA enquanto a Alemanha classificou o ato de Trump como "lamentável". 

O Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário, conhecido como INF, foi firmado em 1987 para proteger os EUA e aliados. Ele impede os Estados Unidos e a Rússia de possuir, produzir ou testar um míssil terrestre com alcance de 300 a 3,4 mil milhas. 

O senador Rand Paul disse que Trump comete "um grande, grande erro ao sair desse acordo histórico". Em entrevista à Fox News, ele afirmou que tanto EUA como Rússia fazem acusações ao lado oposto de violações ao acordo e pediu uma "discussão racional". 

O presidente do comitê de Relações Exteriores do Senado, Bob Corker, afirmou esperar que esse passo de Trump seja apenas uma manobra de negociação. À rede de TV CNN ele disse que "isso pode ser algo que precede uma tentativa de fazer a Rússia respeitar o acordo". Corker afirmou ainda esperar que o país encontre uma forma de manter o acordo. 

Já a senadora Lindsey Graham declarou apoio a Trump. "Absolutamente correto o movimento", disse a Fox News. "Os russos estão trapaceando", acrescentou. 

Trump está enviando o secretário de Segurança Nacional, John Bolton, para Moscou para encontros com os líderes russos, incluindo o ministro de Relações Exteriores Sergei Lavrov e o secretário do Conselho de Segurança Nikolai Patrushev. 

"Isso seria um passo muito perigoso", disse o vice-ministro russo Sergei Ryabkov à agência de notícias estatal Tass neste domingo. 

Um analista político independente russo, Dmitry Oreshkin, considerou que as tensões colocam de volta Estados Unidos e Rússia numa situação semelhante à da Guerra Fria. "Agora, no entanto, pode ser pior porque o presidente russo Vladimir Putin pertence a uma geração que não tem o sentimento da guerra"

A decisão de Trump pode ser ainda controversa ara aliados europeus, diz Steven Pifer, ex-embaixador na Ucrânia. "Uma vez que os Estados Unidos deixem o tratado, não há razão alguma para a Rússia sequer fazer de conta que está observando os limites", disse. Fonte: Associated Press.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.