arábia saudita Imprensa turca afirma que jornalista saudita foi 'decapitado' O assassinato durou sete minutos, informa o Middle East Eye

Por: AFP - Agence France-Presse

Publicado em: 17/10/2018 08:54 Atualizado em:

Foto: MOHAMMED AL-SHAIKH / AFP
Foto: MOHAMMED AL-SHAIKH / AFP
O jornalista saudita Jamal Khashoggi foi torturado antes de ser "decapitado" no consulado de seu país em Istambul, afirma o jornal Yeni Safak, que cita uma gravação de áudio dos fatos.

Khashoggi, crítico do regime saudita, compareceu ao consulado no dia 2 de outubro para cumprir os trâmites burocráticos para seu casamento. Desde então não há notícias sobre o seu paradeiro. O jornal Yeni Safak afirma que teve acesso a gravações de áudio e informa que Khashoggi foi torturado durante um interrogatório: os agentes sauditas cortaram os dedos da vítima. Ele foi "decapitado", afirma o jornal, ligado ao governo turco, que não revela como teve acesso às gravações. As autoridades turcas acusam Riad de ter ordenado o assassinato do jornalista a uma equipe enviada ao consulado. O governo saudita nega.

Nos últimos dias, alguns meios de comunicação, como o jornal Washington Post, para o qual Khashoggi escrevia, informaram sobre a existência de gravações de áudio e vídeo que provam que o jornalista foi "interrogado, torturado e assassinado" dentro do consulado. O seu corpo teria sido esquartejado. Esta é a primeira vez que uma publicação turca afirma que teve acesso às gravações. 

De acordo com o Yeni Safak, o cônsul saudita Mohammad Al Otaibi afirma em uma das gravações: "Façam isto lá fora. Vocês vão me provocar problemas". Um homem não identificado responde: "Se você quiser continuar vivo quando voltar à Arábia Saudita, fica quieto". Al Otaibi deixou IStambul na terça-feira.

O portal digital Middle East Eye afirma, com base em uma fonte que teve acesso à gravação de áudio dos últimos momentos do jornalista, que Khashoggi foi levado para o escritório do cônsul. De acordo com a fonte, "não houve uma tentativa de interrogatório. Vieram para matá-lo" e o próprio cônsul foi retirado do local.

Um médico legista, identificado como Salah al-Tubaigy e que integrava a equipe de 15 sauditas enviados por Riad a Istambul no mesmo dia, de acordo com a imprensa, começou a cortar o corpo de Khashoggi ainda vivo, segundo a fonte do Middle East Eye.

Enquanto esquartejava o jornalista, Tubaigy começou a ouvir música com fones de ouvido. "Quando faço este trabalho, escuto música. Vocês também deveriam fazer isto" afirma na gravação, segundo a fonte. O assassinato durou sete minutos, informa o Middle East Eye.

A imprensa americana informou que a Arábia Saudita cogitava reconhecer a morte do jornalista durante um interrogatório no consulado e atribuir o fato a "agentes fora de controle".


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.