Aviso Trump alerta Honduras para deter caravana de imigrantes para os Estados Unidos No sábado, um grupo de mais de 2.000 hondurenhos começou uma caminhada até a fronteira com a Guatemala para chegar aos Estados Unidos

Por: AFP - Agence France-Presse

Publicado em: 16/10/2018 19:14 Atualizado em:

Foto: Scott Olson/AFP (Foto: Scott Olson/AFP)
Foto: Scott Olson/AFP
O presidente americano, Donald Trump, alertou o governo hondurenho nesta terça-feira (16) para que detenha a caravana de milhares de imigrantes que deixaram seu país com o objetivo de entrar nos Estados Unidos, e que já cruzaram a fronteira com a Guatemala.

"Os Estados Unidos informaram com firmeza ao presidente de Honduras que se a grande caravana de pessoas que se dirige aos Estados Unidos não for freada e levada de volta a Honduras, não haverá mais dinheiro nem ajuda para Honduras, com efeito imediato", tuitou Trump.

No sábado, um grupo de mais de 2.000 hondurenhos começou uma caminhada em San Pedro Sula, 180 quilômetros ao norte de Tegucigalpa, até a fronteira com a Guatemala para chegar aos Estados Unidos, uma rota de 2.000 km cheia de obstáculos e perigos.

Na tarde de segunda-feira, milhares de migrantes já estavam na cidade guatemalteca de Esquipulas, na fronteira com Honduras.

Antes de entrarem na Guatemala, um grande contingente de policiais fechou a passagem aos migrantes, mas horas depois estes conseguiram chegar a um abrigo em Esquipulas, segundo imagens e vídeos divulgados pela imprensa local.

A porta-voz do Departamento de Segurança Nacional dos Estados Unidos, Katie Waldman, disse que as notícias da caravana são o resultado dos conhecidos vácuos legais nos mecanismos para deter e em seguida libertar os migrantes.

"Como temos dito e repetido, até que o Congresso aja, vamos continuar tendo fronteiras abertas de fato que garantam futuras 'caravanas' e cifras recorde de famílias que entram ilegalmente no nosso país", afirmou Waldman em um comunicado.

A violência na América Central empurrou famílias inteiras, e em muitos casos crianças sozinhas, a fugirem empreendendo a perigosa viagem para os Estados Unidos.

"Uma caravana é uma forma que os migrantes têm de se agrupar para salvaguardar sua própria segurança", explicou à AFP Clara Long, pesquisadora da organização Human Right Watch, destacando que o corredor pela América Central é uma das rotas migratórias mais perigosas do mundo.

Na segunda-feira, as autoridades da Guatemala anunciaram que proibiriam a entrada dos imigrantes hondurenhos se estes não cumprissem com os requisitos legais para entrar no país.

Nesta terça, um grupo de organizações sociais pediu ao governo guatemalteco que garanta os direitos dos migrantes.

"É responsabilidade do governo da Guatemala a segurança e integridade das pessoas que estão em seu território e por nenhum motivo atentar contra os seus direitos humanos", detalhou um comunicado emitido por 18 organizações, entre elas a Mesa Nacional para as Migrações na Guatemala e a Pastoral de Mobilidade Humana.

Almagro pede respeito a direitos dos migrantes
 
O governo do México também anunciou que freará a passagem dos migrantes que não cumprirem com a legislação.

Mais de 500.000 pessoas cruzam clandestinamente a fronteira sul do México a cada ano em sua tentativa de chegar aos Estados Unidos, de acordo com dados da ONU. A maioria sai da América Central fugindo da violência e da pobreza de seus países.

Na semana passada, o presidente de Honduras, Juan Orlando Hernández, participou junto com seus homólogos de Guatemala e El Salvador da Segunda Conferência sobre Prosperidade e Segurança na América Central em Washington. 

No fórum, o vice-presidente americano, Mike Pence, foi contundente ao pedir aos líderes centro-americanos que enviem uma mensagem aos seus cidadãos: "Se não puderem vir aos Estados Unidos legalmente, não venham".

Mediante o acordo chamado "Aliança para a Prosperidade", Washington outorga ajuda financeira para implementar programas que melhorem as condições de segurança e criem oportunidades de desenvolvimento para frear a migração.

Enquanto isso, o secretário-geral da Organização de Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, pediu respeito aos direitos dos migrantes.

"Pedimos respeito aos direitos e à segurança dos integrantes da caravana de migrantes hondurenhos, assim como a investigação do possível envolvimento de traficantes de pessoas", assinalou Almagro. 

Neste sentido, Long lembrou que cada um dos países tem a obrigação de dar uma audiência justa às pessoas que pedirem proteção.

Mais de um milhão de hondurenhos moram nos Estados Unidos, a maioria em situação ilegal. No ano passado, injetaram quatro bilhões de dólares em remessas à economia de seu país, equivalentes a 20% do produto interno bruto (PIB).


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.