Saúde Maconha terapêutica será autorizada no Reino Unido e na Lituânia "Trata-se de uma decisão histórica que permitirá aos pacientes receber o melhor tratamento possível", disse o deputado conservador Mykolas Majauskas

Por: Agência Estado

Publicado em: 11/10/2018 20:41 Atualizado em:

Foto: Maj. Will Cox/ Georgia Army National Guard
Foto: Maj. Will Cox/ Georgia Army National Guard
Duas nações europeias, o Reino Unido e a Lituânia, tomaram decisões semelhantes nesta quinta-feira, 11, ao legalizar a maconha para uso medicinal. Ambos argumentaram que a medida visa a ampliar o tratamento médico para seus cidadãos. 

O ministro do Interior, Sajid Javid, declarou que a maconha terapêutica será autorizada no Reino Unido com prescrição médica a partir do dia 1º.

A medida será aplicada na Inglaterra, em Gales e na Escócia, informou o ministro britânico em um comunicado no qual ressaltou que, com ela, não será aberto um caminho a uma legalização da maconha para fins recreativos.

"Minha intenção sempre foi assegurar que os pacientes possam acessar o tratamento médico mais apropriado", explicou. Mas "sempre indiquei claramente que não tenho nenhuma intenção de legalizar o uso recreativo da cannabis".

Vários casos de pessoas doentes que se tratam ilegalmente com ajuda de produtos derivados da maconha - entre eles o de duas crianças que sofrem de epilepsia e consomem azeite de cannabis - se destacaram nos últimos tempos, alimentando o debate sobre a autorização da maconha terapêutica.

Lituânia
 
No país, o Parlamento aprovou uma lei que autoriza os médicos a receitar medicamentos à base de maconha. Dos 141 deputados, 90 votaram a favor da medida que, para entrar em vigor, precisa ser sancionada pela presidente Dalia Grybauskaite.

"Trata-se de uma decisão histórica que permitirá aos pacientes receber o melhor tratamento possível", disse o deputado conservador Mykolas Majauskas, que apresentou o projeto. A lei entrará em vigor em maio. O consumo de maconha para uso recreativo continuará ilegal no país.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.