bombardeiros Pequim considera provocação o voo de bombardeiros no Mar da China A China reivindica a quase totalidade do Mar da China Meridional. Outros países vizinhos (Filipinas, Vietnã, Brunei, Malásia) têm aspirações rivais e cada país controla várias ilhas

Por: AFP - Agence France-Presse

Publicado em: 27/09/2018 12:27 Atualizado em:

Pequim, China - O ministério chinês da Defensa criticou nesta quinta-feira (27/9) o voo de bombardeiros dos Estados Unidos sobre os mares da China Meridional e Oriental, que chamou de "comportamento provocativo", em um momento de tensão entre Pequim e Washington pela guerra comercial.

O Pentágono anunciou na quarta-feira (26/9) que vários B-52 participaram esta semana em uma operação conjunta com caças japoneses no Mar da China Oriental. Outros bombardeiros também atravessaram o "espaço aéreo internacional" no Mar da China Meridional.

"Sempre expressamos nossa total oposição ao comportamento provocativo dos aviões militares americanos no Mar da China Meridional e seguiremos tomando as medidas necessárias para lidar com a questão", declarou Ren Guoqiang, porta-voz do ministério chinês da Defesa. 
A China reivindica a quase totalidade do Mar da China Meridional. Outros países vizinhos (Filipinas, Vietnã, Brunei, Malásia) têm aspirações rivais e cada país controla várias ilhas. Para ampliar suas reivindicações, Pequim reforçou de forma artificial várias pequenas ilhas e recifes, com a presença de armamento em algumas delas. No Mar da China Meridional, Pequim reivindica as ilhas Diaoyu (chamadas Senkaku no Japão), atualmente controladas por Tóquio. 

Com o objetivo de apresentar uma resistência a China nestas zonas marítimas, Washington e seus aliados mobilizam com frequência navios de guerra ou bombardeiros perto das ilhas controladas por Pequim.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.