ESCÃNDALO Rede CBS anuncia saída de presidente denunciado por abuso sexual Somam doze o total de mulheres que desde julho fazem denúncias de assédio e abuso sexual.

Publicado em: 09/09/2018 19:50 Atualizado em: 09/09/2018 21:25

A rede de TV CBS anunciou neste domingo que Leslie Moonves, seu presidente durante 15 anos, deixou seu cargo após ser acusado por mulheres de assédio e abuso sexual. Em comunicado publicado em seu portal a empresa e Moonves informam que vão doar imediatamente 20 milhões de dólares a uma ou mais organizações que apoiem o movimento #MeToo e a igualdade de gênero no trabalho.

Mais seis mulheres haviam denunciado o presidente da emissora CBS, Leslie Moonves, por assédio e abuso sexual, tornando sua saída do cargo cada vez mais provável. O jornalista Ronan Farrow revelou em um artigo na revista The New Yorker que as seis mulheres acusavam Moonves, de 68 anos, de assediá-las ou agredi-las entre as décadas de 1990 e 2000. Elas também citam felação forçada e violência. 

São acusações mais sérias do que as de outras seis mulheres que no final de julho o haviam acusado, nas páginas da New Yorker de tocá-las ou beijá-las à força. Uma delas, Phyllis Golden-Gottlieb, apresentou uma queixa no ano passado à polícia de Los Angeles, que considerou crível, mas decidiu não indiciar Moonves porque a suposta agressão ocorreu no final dos anos 90 e, portanto, o crime havia prescrito, afirmou Farrow. Golden-Gottlieb diz que Moonves forçou-a a fazer sexo oral nele e, em seguida, empurrou-a violentamente contra uma parede. 

A The New Yorker garante que Moonves admitiu em uma declaração que ele teve encontros com três das mulheres, mas que foram consensuais e ocorreram antes de sua chegada à CBS. Moonves está atualmente negociando sua saída do cargo, segundo a imprensa norte-americana. 

A rede financeira CNBC garante que o acordo daria fim ao reinado de 15 anos de Moonves na CBS, bem como ao processo que a administração do canal enfrenta e a família Redstone, que controla 80% dos direitos de voto da cadeia. Redstone, que queria fundir a CBS com o grupo Viacom, que a família também controla, processou a CBS perante os tribunais, acusando-a de diluir seus direitos de voto para apenas 20%. Se não chegarem a um acordo, o processo sobre este litígio deve começar em 3 de outubro em um tribunal no estado de Delaware. 

As discussões sobre a saída de Moonves se voltam em grande parte para a compensação que o executivo cobraria. Há rumores de que ele poderia receber 100 milhões de dólares em ações. Embora seu contrato preveja uma indenização inicial de 180 milhões de dólares, o presidente da emissora poderia deixar seu cargo sem receber nada. Tudo depende dos resultados de uma investigação sobre as acusações do New Yorker, disse a CNBC, citando fontes próximas à negociação. Uma de suas acusadoras, Jessica Pallingston, disse à revista que pagar sua indenização seria "completamente repugnante".

Agence France-Presse


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.