Tragédia Irã: terremotos deixam duas vítimas fatais e mais de 300 feridos No domingo, os terremotos começaram depois das 2h30 da manhã, com magnitude 6 perto da cidade de Javanrud, a cerca de 460 quilômetros a oeste da capital, Teerã

Por: AE

Publicado em: 26/08/2018 08:54 Atualizado em:

Quatro terremotos, incluindo um com 6 graus de magnitude, abalaram o oeste do Irã no domingo, matando pelo menos duas pessoas e ferindo 310, informou a mídia estatal.

Os terremotos na província de Kermanshah aconteceram enquanto algumas pessoas ainda permanecem desabrigadas após um grande terremoto de magnitude 7,3 em novembro ter atingido a mesma região, matando mais de 530 pessoas.

No domingo, os terremotos começaram depois das 2h30 da manhã, com magnitude 6 perto da cidade de Javanrud, a cerca de 460 quilômetros a oeste da capital, Teerã. Houve ainda mais três tremores até o nascer do sol, todos de magnitude 4.

A televisão estatal exibiu imagens de tijolos e alvenaria que quebraram um veículo, vidros quebrados e rachaduras nas paredes. A informação é de que todas as cidades da província de Kermanshah sentiram o tremor inicial.

Pelo menos duas pessoas foram mortas, segundo a televisão estatal, incluindo uma mulher grávida e um homem de 70 anos.

Autoridades disseram que equipes de resgate foram enviadas à área. O ministro do Interior, Abdolreza Rahmani Fazli, planejou viajar para lá segunda-feira. O presidente Hassan Rouhani ordenou que ele fornecesse alívio imediato para a região atingida pelo terremoto.

O Irã se encontra em grandes falhas geográficas e está sujeito a terremotos quase diários. Em 2003, um terremoto de magnitude 6,6 atingiu a cidade histórica de Bam, matando 26 mil pessoas.

O terremoto em novembro de 2017, também em Kermanshah, feriu milhares de pessoas no Irã. No vizinho Iraque, nove pessoas foram mortas e 550 ficaram feridas. A província quase totalmente curda de Kermanshah está situada nas montanhas Zagros, ao longo da fronteira com o Iraque. 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.