Conflito Bomba que matou 51 pessoas em um ônibus no Iêmen era americana O ex-presidente Barack Obama havia proibido a venda de bombas guiadas à Arábia Saudita, mas Donald Trump revogou a proibição

Por: AFP - Agence France-Presse

Publicado em: 18/08/2018 10:32 Atualizado em:

FOTO: MOHAMMED HUWAIS / AFP
FOTO: MOHAMMED HUWAIS / AFP

A bomba que matou 51 pessoas, entre elas 40 crianças, lançada contra um ônibus em um ataque aéreo atribuído à coalizão liderada pela Arábia Saudita no norte do Iêmen, foi vendida pelos Estados Unidos como parte de um acordo entre o departamento de Estado e Riad, segundo a CNN. 

Segundo informaram especialistas à rede, a bomba usada no ataque de 9 de agosto em Saada seria uma Mark 82 (Mk 82) guiada com laser de precisão, criada pela empresa de defesa americana Lockheed Martin. 

O ex-presidente Barack Obama havia proibido a venda de bombas guiadas à Arábia Saudita depois que um tipo similar foi usado em um ataque aéreo que matou 140 pessoas em uma cerimônia fúnebre na capital Sanaa, em outubro de 2016.

Mas Donald Trump revogou a proibição depois que assumiu o governo.

Cinquenta e seis crianças também se encontram entre os 79 feridos do ataque em Saada, segundo o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV). 

A coalizão é acusada de cometer numerosos abusos contra civis. Esta reconheceu sua responsabilidade sobre alguns ataques aéreos, mas reiteradamente acusa os rebeldes huthis de se misturar com civis ou usá-los como escudos humanos. 

A guerra no Iêmen já deixou 10.000 mortos desde a intervenção da coalizão liderada pela Arábia Saudita em 2015 e causou a pior crise humanitária do mundo, segundo a ONU.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.