Mundo Atropelamento diante do Parlamento em Londres é tratado como terrorismo Autoridades informaram que os dois feridos não parecem correr risco de vida

Por: AE

Publicado em: 14/08/2018 08:32 Atualizado em: 14/08/2018 10:02

Um carro foi lançado contra barreiras diante do Parlamento do Reino Unido. Foto: Reprodução/Tv Globo
Um carro foi lançado contra barreiras diante do Parlamento do Reino Unido. Foto: Reprodução/Tv Globo
Um homem atropelou com seu carro vários ciclistas e pedestres diante do Parlamento em Londres e depois avançou contra a barreira de segurança do edifício, em um caso que a polícia investiga como um "ato terrorista".

O homem tem entre 25 e 30 anos e é suspeito de "crimes de terrorismo", informou a Scotland Yard em um comunicado. O ataque deixou vários feridos, mas nenhum deles está em perigo de morte.

"Nesta etapa tratamos isto como um incidente terrorista. O Comando Antiterrorista da Polícia Metropolitana dirige a investigação", afirma um comunicado da força de segurança.

Às 7H37 (3H37 de Brasília), um automóvel Ford Fiesta de cor prata atropelou ciclistas e pedestres antes de bater na barreira de segurança do Parlamento.

O motorista, único ocupante do veículo, foi detido na hora, de acordo com a Scotland Yard, que não encontrou nenhuma arma na área do ataque.

"Apesar de mantermos a mente aberta, o Comando Antiterrorista da Polícia Metropolitana lidera a investigação sobre o incidente de #Westminster", anunciou a força de segurança no Twitter.

Imagens divulgadas nas redes sociais mostram o momento em que policiais fortemente armados cercaram o veículo, do qual retiraram o motorista, que foi algemado. As ruas ao redor do Parlamento em Westminster foram fechadas.

Outros vídeos mostram o momento exato da detenção do motorista.

Diversas viaturas da polícia e ambulâncias foram enviadas às proximidades do Parlamento, assim como o esquadrão antibombas e cães farejadores. A estação de metrô de Westminster também foi fechada.

Toda a área do incidente era sobrevoada por um helicóptero e foi isolada pelas forças de segurança.

- Barreira de proteção -

"Parecia um ato deliberado", afirmou Ewalina Ochab, que passava pela área no momento do incidente, à agência britânica Press Association.  "Eu estava caminhando o outro lado. Ouvi um barulho e alguém gritou. Eu virei e vi um carro prata em alta velocidade e muito perto das barreiras, talvez sobre a calçada", disse.

A primeira-ministra Theresa May expressou solidariedade aos feridos e agradeceu aos serviços de emergência por sua resposta "corajosa e rápida".

Ao mesmo tempo, o presidente americano Donald Trump, pediu uma ação forte contra os "animais" suspeitos do ataque em Londres.

"Outro ataque terrorista em Londres ... Esses animais são loucos e devem ser tratados com força e firmeza", escreveu Trump no Twitter.

O Reino Unido foi cenário em 2017 de uma onda de atentados, quatro deles reivindicados pelo grupo extremista Estado Islâmico, que deixaram 36 mortos e 200 feridos. Um dos ataques aconteceu em março na Ponte de Westminster, que leva ao Parlamento.

O autor do atentado de março do ano passado, Khalid Masood, atropelou várias pessoas na ponte e avançou com o carro até as grades do Parlamento.

Depois, Masood desceu do carro, entrou na área do Parlamento e esfaqueou até a morte um policial, antes de ser morto por outros agentes das forças de segurança.

Desde então uma barreira de segurança de cimento e aço foi foi instalada ao redor das grades do Parlamento e nas calçadas que levam à ponte.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.