Debates Destino do fundador do Wikileaks está sendo discutido por Equador e Reino Unido Julian Assange está refugiado na embaixada equatoriana no Reino Unido desde 2012

Por: AFP - Agence France-Presse

Publicado em: 29/07/2018 16:06 Atualizado em: 29/07/2018 16:18

O ciberativista australiano teme acabar sendo extraditado para os Estados Unidos, por ter divulgado milhares de documentos secretos daquele país através de seu site WikiLeaks. Foto: Justin Tallis/AFP
O ciberativista australiano teme acabar sendo extraditado para os Estados Unidos, por ter divulgado milhares de documentos secretos daquele país através de seu site WikiLeaks. Foto: Justin Tallis/AFP
O Equador discute com o Reino Unido o destino do fundador do WikiLeaks, Julian Assange, refugiado desde 2012 na embaixada daquele país em Londres, afirmou o presidente equatoriano, Lenín Moreno, em entrevista divulgada neste domingo.

"Entendo que já estamos estabelecendo contato com a procuradoria jurídica do senhor Assange para encontrar uma saída", declarou Moreno ao jornal "El País" na última quinta-feira, em Madri.

"O senhor Assange está há mais de cinco anos assim, deve-se encontrar uma saída para ele que defenda seus direitos, principalmente o direito à vida, e que, ao mesmo tempo, possa dar ao Equador a possibilidade de não ter o que certamente representa um problema para o nosso país", acrescentou o presidente.

Assange, 47, refugiou-se em 2012 na embaixada equatoriana no Reino Unido para evitar ser extraditado para a Suécia por supostos crimes de agressão sexual, que sempre negou ter cometido.

O ciberativista australiano afirma que a acusação teve motivação política, e teme acabar sendo extraditado para os Estados Unidos, por ter divulgado milhares de documentos secretos daquele país através de seu site WikiLeaks.

A Justiça sueca abandonou a última causa por estupro em maio de 2017, mas um tribunal de Londres rejeitou em fevereiro arquivar o caso Assange, alegando descumprimento das condições de sua liberdade sob fiança.

Moreno, que visitou esta semana o Reino Unido e a Espanha, indicou que a solução ideal seria que Assange cumprisse pena no Reino Unido por ter violado os termos de sua condicional, e, em seguida, fosse para um local onde ficasse tranquilo.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.