Justiça Câmeras teriam sido trocadas em local de execução de brasileira na Nicarágua Na última sexta-feira, a Polícia Nacional informou a prisão de Pierson Gutiérrez Solis, 42 anos, um ex-militar e instrutor de taekwondo

Por: Correio Braziliense

Publicado em: 28/07/2018 11:12 Atualizado em:

 (Foto: Divulgação )
 
 
A morte da estudante pernambucana Raynéia Gabrielle Lima, 30, segue envolta em mistérios, apesar de a Polícia Nacional ter anunciado nesta sexta-feira a captura do suspeito de assassinato. Em entrevista ao Correio, Ernesto Medina, reitor da Universidade Americana, onde a brasileira cursava o sexto e último ano de medicina, afirmou ter sido informado por moradores do bairro Lomas de Monserrat, na região sudoeste de Manágua, de que técnicos chegaram à rua do crime para retirar todas as câmeras de segurança.
 
"Hoje (sexta-feira), colocaram câmeras novas. Isso reforça o temor de que alguém deseja encobrir a verdade", disse. "Devemos seguir exigindo ao governo da Nicarágua que permita uma investigação independente para esclarecer os fatos trágicos que levaram à morte de Ray", acrescentou. 
 
Na tarde desta sexta-feira, a Polícia Nacional informou a prisão de Pierson Gutiérrez Solis, 42 anos, um ex-militar e instrutor de taekwondo. Com ele, foi apreendida uma carabina M4, de uso restrito à proteção em zona rural, que teria sido usada para matar Raynéia.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.