Crise migratória México e norte da América Central se preparam para debater migração com EUA A reunião dá prosseguimento à visita à Guatemala realizada em 28 de junho pelo vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence

Por: Correio Braziliense

Publicado em: 09/07/2018 21:18 Atualizado em:

Mike Pence, vice-presidente dos Estados Unidos (Foto: Alex Wong/AFP)
Mike Pence, vice-presidente dos Estados Unidos
Autoridades do México e do norte da América Central preparam os últimos detalhes nesta segunda-feira (9) na capital guatemalteca para debater com a secretária de Segurança Interna dos Estados Unidos, Kirstjen Nielsen, a crise migratória gerada pela política de "tolerância zero" de Washington, informou uma fonte oficial guatemalteca.

O vice-ministro das Relações Exteriores da Guatemala, Jairo Estrada, disse a jornalistas que a tensão migratória e a segurança regional serão os principais temas da reunião de terça-feira (10), entre Nielsen e os chanceleres de México, Guatemala, Honduras e El Salvador. Segundo a Chancelaria, espera-se que Nielsen chegue à base da Força Aérea na noite desta segunda (9).

A reunião dá prosseguimento à visita à Guatemala realizada em 28 de junho pelo vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, após o tumulto causado por sérias críticas à política de "tolerância zero" que Washington vem aplicando contra os imigrantes em situação ilegal. Essa política provocou a separação de mais de 2.000 crianças de seus pais, detidos ao cruzar a fronteira. 

Na reunião, Pence fez "solicitações específicas" a cada país, como o aumento da equipe de inteligência para atacar as gangues, no caso de El Salvador. Além disso, pediu à Guatemala que inicie uma campanha para "dissuadir" a migração ilegal, enquanto a Honduras solicitou que a quantidade de policiais em suas fronteiras seja aumentada.

Pence também demandou aos presidentes dos países do Triângulo Norte da América Central que interrompam o "êxodo" de migrantes ilegais ao seu país, considerando que ameaçam a segurança dos americanos. "Não coloquem em jogo a sua vida e a vida de seus filhos. Fiquem em seus lares, em sua pátria (...) Venham legalmente, ou não venham", advertiu.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.