Resultado Estudo aponta relação entre alimentação sólida e sono infantil Análise mostra que bebês que ingerem alimentos sólidos, a partir dos três meses de idade, dormem melhor

Por: Agência Brasil

Publicado em: 09/07/2018 20:40 Atualizado em:

 (Reprodução/Intenet)
Os bebês que recebem alimentos sólidos além do leite materno a partir dos três meses de idade, mostram sinais de melhor sono do que bebês alimentados apenas com leite até os seis meses, sugere um novo estudo realizado na Grã-Bretanha.

Embora a prática não proporcione noites de sono totalmente ininterruptas, o estudo com 1.303 crianças na Inglaterra e no País de Gales, realizado entre 2009 e 2012, mostrou que os bebês que receberam sólidos antes do recomendado melhoraram seus padrões de sono.

Os pais de metade das crianças foram encorajados a alimentar seus bebês com sólidos, como peixe branco ou trigo, antes dos seis meses, enquanto a outra metade foi orientada a manter apenas o leite materno até essa idade.

Os resultados, publicados nesta segunda-feira na revista científica JAMA Pediatrics, mostraram que os bebês que começaram a ingerir sólidos mais cedo dormiam por mais tempo e acordavam menos vezes durante a noite.

O efeito foi pequeno, mas notável. O estudo mostrou que alimentar os bebês com sólidos diminuiu o número médio de vezes que eles acordavam durante a noite de 2,01 vezes para 1,74 por noite.

A duração do sono também foi diferente, com um pico de 16 minutos a mais de sono por noite aos seis meses de idade.

"Em um ensaio clínico randomizado, a introdução precoce de sólidos na dieta do bebê foi associada a uma maior duração do sono, a uma redução da frequência com que acordavam durante a noite e a uma redução dos problemas de sono muito graves", disse o estudo.

Os pesquisadores do King's College, em Londres, e da Universidade de Londres admitiram que é possível que as mães que dão sólidos aos seus bebês tenham respondido às suas perguntas de uma forma mais positiva, pois esperavam um efeito positivo, já que muitos pais acreditam que essa prática leva a um sono melhor. Mas eles disseram que é pouco provável que esse viés persistisse por mais de seis meses.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.