Polar Aplicativo para fazer exercícios pode revelar localização de soldados Pesquisadores afirmam que plataforma pode expor dados secretos de usuários

Por: Estado de Minas

Publicado em: 09/07/2018 20:00 Atualizado em:

O aplicativo Polar, utilizado normalmente no seguimento de atividades físicas, desativou suas funções de localização depois de que pesquisadores descobriram que permitia revelar dados sensíveis sobre soldados e membros de serviços de inteligência de 69 países.

Esta decisão chega após um caso similar que envolveu o aplicativo Strava, cujas regras de uso foram modificadas pelo Pentágono em janeiro, quando ficou claro que ele permitia revelar os movimentos de militares nas bases americanas espalhadas pelo mundo.

No domingo (8), pesquisadores holandeses em segurança indicaram que consultaram dados sobre cerca de 6.000 pessoas de uma dúzia de nacionalidades, incluindo soldados e membros do FBI e da NSA.

"Com apenas alguns cliques, pode-se observar um oficial superior fazendo jogging em uma base conhecida por abrigar armas nucleares", afirmou Foeke Postma em um blog depois do site de informações holandês De Correspondent publicar uma investigação sobre o assunto.

"É possível localizar militares de países ocidentais no Afeganistão graças ao aplicativo Polar. O cruzamento do nome e da foto do perfil da pessoa com os que são utilizados nas redes sociais permitiu confirmar a identidade de soldados e de oficiais", acrescentou.

Informações sensíveis como os endereços pessoais de usuários embarcados em submarinos, de americanos que se encontram na zona verde de Bagdá ou de soldados russos na Crimeia, também foram reveladas, indicaram os pesquisadores.

O Polar anunciou em um comunicado que eliminará a função do aplicativo que permite compartilhar dados, embora tenha observado que os dados que se tornaram públicos foram o resultado de usuários que optaram pelo rastreamento de localização.

Segundo o De Correspondent, apenas 2% dos usuários do Polar optaram compartilhar seus dados.

"Encontramos nomes e endereços de pessoas nas bases de Guantánamo, em Cuba, Erbil (Iraque), Gao (Mali) e outras no Afeganistão, Arábia Saudita, Catar, Chade e Coreia do Sul", aponta a pesquisa.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.