VIOLÊNCIA Prisão preventiva para acusado de queimar mulher no nordeste do Peru A vítima, Juana Mendoza, é irmã da ex-mulher do agressor e teve queimaduras em 80% do corpo

Por: AFP - Agence France-Presse

Publicado em: 04/07/2018 09:38 Atualizado em: 04/07/2018 10:31

Foto: Pixabay / Creative Commons
Foto: Pixabay / Creative Commons
A justiça peruana decretou nove meses de prisão preventiva para o homem que ateou fogo ao corpo de uma mulher em Cajamarca, nordeste do país, à espera de um julgamento por tentativa de homicídio.

A decisão judicial contra Esneider Estela Terrones cita uma tentativa de homicídio com grande crueldade.

A prisão preventiva tem como objetivo evitar a fuga do acusado e permitir a investigação da Promotoria antes do julgamento, informou o tribunal de Cajamarca. 

A brutal agressão aconteceu na última sexta-feira (29), quando a vítima, Juana Mendoza, de 31 anos, trabalhava ao lado da mãe na venda de comida em uma rua da cidade de Cajamarca, perto de uma delegacia.

De acordo com a polícia, o agressor jogou combustível no corpo da vítima e ateou fogo. A mulher tem queimaduras em 80% do corpo, segundo o ministério da Saúde.

Juana foi atendida em um hospital local e transferida no domingo para a UTI de um centro médico em Lima. 

O agressor confessou o crime, alegando que atuou por vingança por que sua mulher, que é irmã da vítima, o abandonou.

O presidente peruano Martín Vizcarra expressou no Twitter seu "repúdio por esta tentativa selvagem de feminicídio em Cajamarca".

"A violência contra a mulher tem que parar", escreveu o presidente.

De acordo com a Defensoria do Povo foram registrados 43 feminicídios e 90 tentativas de feminicídio entre janeiro e maio no país.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.