eleições Quase todos os presos ou ex-presos podem ser candidatos no México Poucas pessoas ficam surpresas com esse tipo de situação no país por conta da alta recorrência

Por: AFP - Agence France-Presse

Publicado em: 27/06/2018 09:32 Atualizado em:

Francisco López é candidato pelo governista Partido Revolucionário Institucional (PRI) e está preso, acusado de homicídio. Foto: Reprodução/Internet
Francisco López é candidato pelo governista Partido Revolucionário Institucional (PRI) e está preso, acusado de homicídio. Foto: Reprodução/Internet

A violência e a corrupção no México se tornaram cotidianas, a tal ponto que poucas pessoas ficam surpresas com as candidaturas, para as eleições de 1º de julho, de pessoas que são ou já foram alvos de processos penais.

A seguir uma lista de alguns dos casos mais significativos:

- Francisco López é candidato pelo governista Partido Revolucionário Institucional (PRI) à prefeitura de San Carlos, Tamaulipas, estado na fronteira México-EUA. Está preso, acusado de homicídio, mas sua família e aparentemente boa parte dos moradores do município o consideram inocente.

"Tenho certeza de que meu pai não fez nada do que é acusado, não só eu tenho certeza, todo o povo de San Carlos tem certeza de que meu pai 'Kiko' López é inocente do que é acusado porque ele sempre se dedicou à agricultura, mais nada", disse à AFP Fernanda López, 15 anos, que se tornou porta-voz do candidato.

Fernanda, que admitiu que em alguns momentos se sentiu sozinha na campanha, afirma que se o pai vencer a prefeitura e continuar na prisão, o seu vice será o responsável por governar.

Francisco López foi detido em 19 de maio, também acusado de associação criminosa. No México, enquanto a sentença não é anunciada, o que às vezes demora anos, os cidadãos não perdem os direitos políticos. E os recuperam depois de cumprir a condenação.

"Continua sendo o nosso candidato e temos certeza de que vai superar a situação que está atravessando (...) Temos certeza de que, da prisão, vencerá a eleição", declarou à AFP Sergio Guajardo, dirigente do PRI em Tamaulipas.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.