Seleção Conheça os candidatos à eleição presidencial na Turquia Se nenhum candidato obtiver mais de 50% dos votos no primeiro turno deste domingo, haverá um segundo turno em 8 de julho

Por: AFP - Agence France-Presse

Publicado em: 24/06/2018 10:42 Atualizado em:

Mulher turca exibe boletim de voto presidencial em votação em Diyarbakir, em 24 de junho de 2018

Seis candidatos disputam a eleição presidencial deste domingo (24) na Turquia, país onde o vencedor será dotado de poderes reforçados ao fim de uma reforma constitucional adotada por referendo em abril de 2017.

A maioria dos candidatos da oposição afirma que, em caso de vitória, anulará tais medidas, mantendo o atual sistema parlamentar.

Se nenhum candidato obtiver mais de 50% dos votos no primeiro turno deste domingo, haverá um segundo turno em 8 de julho.

Conheça os candidatos desta eleição:

- Recep Tayyip Erdogan

O atual presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, nascido em 26 de fevereiro de 1954 em Istambul, tenta um novo mandato à frente do país que dirige desde 2003, inicialmente como primeiro-ministro e depois como presidente.

Esse pai de quatro filhos começou sua carreira política como prefeito de Istambul, em 1994, e criou em 2001 o Partido da Justiça e do Desenvolvimento (AKP, islâmico-conservador), uma verdadeira máquina de ganhar eleições que domina a cena política turca desde a disputa de 2002.

- Muharrem Ince

Nascido em 4 de maio de 1964 em Yalova (noroeste), Muharrem Ince, um ex-professor de Física, tornou-se a surpresa da campanha eleitoral, graças à sua tenacidade e a seu estilo combativo.

É o candidato do Partido Republicano do Povo (CHP, socialdemocrata), cuja liderança tentou alcançar duas vezes sem sucesso.

Adepto dos discursos veementes, Ince, que tem um filho, mostrou-se um rival de peso para Erdogan, inclusive capaz de incomodar o presidente.

- Meral Aksener

Meral Aksener, nascida em 18 de julho de 1956 em Izmit (noroeste), foi a primeira política da oposição a anunciar sua candidatura, à frente do Bom Partido (direita nacionalista) que fundou em outubro.

Esta nacionalista conservadora, mãe de um filho, foi ministra do Interior nos anos 1990 e foi, durante muito tempo, membro do MHP, uma sigla ultranacionalista que se aliou a Erdogan.

Sua passagem pelo governo em 1996 e em 1997, nos anos mais letais para a rebelião curda no sudeste do país, pode privá-la da maioria dos votos curdos, que representam cerca de 20% da população.

- Selahattin Demirtas

Selahattin Demirtas, nascido em 10 de abril de 1973 em Diyarbakir (sudeste), é o candidato do Partido Democrático dos Povos (HDP, pró-curdo), embora esteja na prisão desde novembro de 2016.

Acusado de dirigir uma organização "terrorista", este advogado de formação, pai de duas filhas, denuncia um "sequestro" político, consequência de sua feroz oposição a Erdogan.

Apresentou-se contra o atual chefe de Estado na eleição presidencial de 2014, nas quais obteve quase 10% dos votos.

- Temel Karamollaoglu

Nascido em 7 de junho de 1941 em Kahramanmaras (sul), Temel Karamollaoglu, do Partido da Felicidade (SP, islâmico-conservador), foi três vezes deputado, principalmente, pelo Partido da Prosperidade (Refah).

Segundo a biografia disponível no site de seu partido, também foi colaborador próximo de Necmettin Erbakan, o mentor político de Erdogan.

Este pai de cinco filhos era prefeito de Sivas em 1993, quando um incêndio provocado por integristas islamistas deixou 37 mortos, intelectuais em sua maioria, em um hotel da cidade.

- Dogu Perinçek

Nascido em 17 de junho de 1942 em Gaziantep (sul), Dogu Perinçek dirige o Partido Patriótico (Vatan, esquerda).

Esse doutor em Direito, pai de quatro filhos, foi detido várias vezes, uma delas depois do golpe de Estado militar de 1980.

Falou-se muito dele quando recorreu ao Tribunal Europeu de Direitos Humanos (TEDH) para defender seu direito a negar que o massacre dos armênios durante a Primeira Guerra Mundial na Turquia tenha sido um genocídio. O TEDH lhe deu razão.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.