atentado Ao menos 25 pessoas morreram em ataque suicida no Afeganistão O grupo extremista Estado Islâmico (EI) é tido como o responsável

Por: AFP - Agence France-Presse

Publicado em: 16/06/2018 15:34 Atualizado em:

Voluntários levam homem ferido a hospital após ataque. Foto: AFP
Voluntários levam homem ferido a hospital após ataque. Foto: AFP


Ao menos 25 pessoas morreram neste sábado quando um suicida ateou fogo em si mesmo em meio a vários talibãs, integrantes das forças de segurança e civis que celebravam um inédito cessar-fogo, informaram fontes do governo afegão. 54 pessoas ficaram feridas no ataque, que aconteceu no distrito de Rodat, na província de Nangarhar, leste do país, segundo o porta-voz do governador provincial, Attaullah Khogyani.

O atentado ainda não foi reivindicado, mas uma fonte da segurança afegã afirmou à AFP que o grupo extremista Estado Islâmico (EI) era o responsável. Trata-se do primeiro ataque desde a entrada em vigor, na sexta-feira, de um cessar-fogo de três dias anunciado pelo Talibã por ocasião do fim do Ramadã.

Por sua vez, as forças do governo declararam um cessar-fogo desde a última terça-feira de oito dias com relação aos talibãs. O ataque ocorreu pouco antes de o presidente afegão, Ashraf Ghani, anunciar a extensão do cessar-fogo do governo e pedir aos talibãs que fizessem o mesmo.

"Eu anuncio uma prorrogação do cessar-fogo" além da data planejada, declarou ele, afirmando que os detalhes do cessar-fogo seriam divulgados posteriormente. "Também peço ao Talibã que prolongue seu cessar-fogo", que deveria terminar no domingo.

O fim dos combates resultou, na sexta-feira e neste sábado, em cenas incomuns de confraternização entre o Talibã e as forças de segurança afegãs, que foram vistos se abraçando e tirando fotos.

Cansados de guerra
No distrito de Bati Kot, em Nangarhar (leste), combatentes do Talibã com armas e granadas passeavam em carros e motos, agitando bandeiras talibãs e afegãos. Os agentes do governo de guarda em postos de controle felicitavam os talibãs com abraços e fotos, uma cena impensável há poucos dias.

Moradores locais também cercavam os combatentes, fazendo selfies e abraçando-os, celebrando o fim do Ramadã, o mês do jejum muçulmano. "Estou aqui para parabenizar nossos irmãos da polícia e do exército", declarou à AFP o comandante do Talibã, Baba.

"Conseguimos manter o cessar-fogo até agora. Todo mundo está cansado da guerra e se nossos líderes nos pedirem para que continuemos com o cessar-fogo, vamos mantê-lo para sempre", acrescentou. O Talibã anunciou o cessar-fogo durante os três primeiros dias do Eid Al Fitr, que começou na sexta-feira, prometendo não atacar as forças de segurança afegãs, pela primeira vez desde que seu governo foi derrubado por uma coalizão liderada pelos Estados Unidos em 2001.

No entanto, eles indicaram que continuariam atacando os soldados da Otan, liderados precisamente pelos Estados Unidos. O cessar-fogo do governo deve durar oito dias, contando a partir da última terça-feira, apesar de Ghani ter advertido que as operações contra outros extremistas, incluindo os do EI, continuariam.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.