PROIBIÇÃO Parlamento da Dinamarca aprova lei que proíbe véu integral no espaço público Mulheres que forem flagradas utilizando burca em local público poderão ser multadas em até 1,3 mil euros, equivalente a R$ 5,5 mil

Por: AFP - Agence France-Presse

Publicado em: 31/05/2018 12:08 Atualizado em:

Foto: Army Amber / Creative Commons
Foto: Army Amber / Creative Commons
O Parlamento da Dinamarca votou nesta quinta-feira (31) uma lei que proíbe o véu islâmico integral, seja a burca ou o niqab, no espaço público, uma medida que já está em vigor em vários países europeus.

"Qualquer pessoa que, em um local público, usar uma vestimenta que oculta o rosto pode ser multada", afirma o texto da lei.

A medida foi aprovada por 75 votos contra 30. A partir de 1 de agosto, quando a lei entrará em vigor, a infração à norma custará uma multa multa de 1.000 coroas (134 euros). Em caso de novas infrações, a multa pode chegar a 10.000 coronas.

A ONG Anistia Internacional criticou a lei por considerar que, "embora algumas restrições específicas ao uso do véu possam ser legítimas por razões de segurança pública, a proibição não é necessária nem proporcional e viola os direitos à liberdade de expressão e de religião".

A proibição também é aplicada a outros acessórios que dissimulam o rosto, como o capuz ou barbas falsas.

Os defensores da nova lei afirmam que o véu é um instrumento ideológico de opressão das mulheres em certas culturas. O uso do véu integral islâmico está proibido ou limitado em vários europeus.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.