• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Terrorismo Londres diz querer 'eliminar' seus cidadãos combatentes do EI Estima-se que 800 cidadãos britânicos teriam viajado para o Iraque e a Síria para combater

Por: AFP - Agence France-Presse

Publicado em: 07/12/2017 08:23 Atualizado em:

Londres . Foto: Reprodução/Pixabay
Londres . Foto: Reprodução/Pixabay
Os cidadãos britânicos que combatem junto ao grupo extremista Estado Islâmico deveriam ser localizados e executados e não ter seu retorno permitido, declarou o novo ministro da Defesa, Gavin Willamson, em entrevista ao jornal Daily Mail.

"É bastante simples, tal como eu vejo, um terrorista morto não pode causar nenhum dano à Grã-Bretanha", declarou ao tabloide.

"Deveríamos fazer tudo o que pudermos para destruir e eliminar essa ameaça", acrescentou.

Estima-se que 800 cidadãos britânicos teriam viajado para o Iraque e a Síria para combater, dos quais 130 teriam sido mortos e 400 teriam retornado ao Reino Unido. Atualmente, 270 continuariam no Oriente Médio.

O fenômeno saltou às primeiras páginas dos jornais em 2014, quando o britânico Mohammed Emwazi - conhecido com o pseudônimo de "Jihadista John" - apareceu em vídeos de propaganda do EI decapitando reféns.

Williamson, que substituiu Michael Fallon à frente da pasta da Defesa no mês passado, prometeu que os combatentes que fugiram para outros países também seriam monitorados e seriam impedidos de retornar à Grã-Bretanha. 

"Temos que nos assegurar de que à medida que se separam e dispersam por Iraque e Síria e em outras regiões, nós continuamos perseguindo-os", declarou ao Daily Mail. 

Devemos "nos assegurar de que nenhum lugar seja seguro para eles, de que não possam ir a outros países pregar seu ódio, pregar seu culto à morte", acrescentou. 

A entrevista foi concedida horas depois de dois homens terem comparecido perante um tribunal de Londres, acusados de planejar matar a primeira-ministra britânica, Theresa May. 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.