• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Internacional Presidente filipino diz que matou uma pessoa a punhaladas aos 16 anos Desde a sua chegada ao poder, há 16 meses, a polícia anunciou ter matado 3.967 pessoas

Por: AFP - Agence France-Presse

Publicado em: 10/11/2017 14:38 Atualizado em: 10/11/2017 14:52

Duterte, de 72 anos, foi eleito em 2016 após prometer que erradicaria o narcotráfico no país. Foto: Ted Aljibe/AFP Photo
Duterte, de 72 anos, foi eleito em 2016 após prometer que erradicaria o narcotráfico no país. Foto: Ted Aljibe/AFP Photo

O presidente filipino, Rodrigo Duterte, afirmou ter matado uma pessoa a punhaladas quando era adolescente, em um discurso incendiário para defender sua guerra contra a droga, à margem de uma cúpula internacional celebrada no Vietnã.

Nessas declarações para a comunidade filipina da cidade vietnamita de Danang na quinta­feira (9), Duterte também ameaçou "esbofetear" Agnès Callamard, enviada especial da ONU sobre as execuções sumárias ou arbitrárias. Além disso, chamou de "filhos da puta" os que criticam sua campanha de repressão contra o tráfico de drogas. 

"Quando eu era adolescente, entrava e saía da prisão, por brigas", afirmou o mandatário filipino, em um discurso em Danang, onde participa da cúpula do Fórum de Cooperação Econômica ÁsiaPacífico, onde também estão presentes os presidentes americano Donald Trump e chinês Xi Jinping.

"Com 16 anos, matei alguém. Uma pessoa de verdade, em uma briga, a punhaladas. Eu tinha
apenas 16 anos. Foi por causa de um simples olhar. Quanto mais agora que sou presidente?".

Duterte, de 72 anos, foi eleito em 2016 após prometer que erradicaria o narcotráfico no país,
eliminando 100.000 supostos traficantes e usuários de drogas.

Desde a sua chegada ao poder, há 16 meses, a polícia anunciou ter matado 3.967 pessoas.
Outras 2.290 pessoas morreram em casos vinculados a drogas. Outras milhares de pessoas
perderam a vida em circunstâncias não esclarecidas, segundo os dados da polícia.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.