Mundo

Reeleito, Shinzo Abe promete "medidas contundentes" contra Coreia do Norte

"O meu objetivo é garantir que o povo japonês terá segurança em qualquer circunstância" afirmou o primeiro-ministro

O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, prometeu nesta segunda-feira (23) "medidas contundentes" em relação à Coreia do Norte, após a sólida vitória da coalizão governante que lidera nas eleições gerais de ontem. A informação é da Agência EFE.

"A partir do apoio popular que recebemos, estamos capacitados para pôr em marcha medidas contundentes frente à ameaça norte-coreana", disse Abe, em entrevista hoje em Tóquio para avaliar os resultados das eleições antecipadas.

O líder conservador informou que o problema da Coreia do Norte será um dos temas principais que tratará com o presidente americano, Donald Trump, durante a visita que ele pretende fazer ao Japão entre os dias 5 e 7 de novembro.

"Falei hoje com Trump e decidimos que, quando vier, dedicaremos um tempo significativo para discutir como fazer frente a esse desafio", declarou Abe, na sede do Partido Liberal Democrata (PLD) em Tóquio.

Abe acrescentou que discutirá com "outros líderes do Leste asiático uma solução para o problema e para incrementar a pressão sobre a Coreia do Norte", referindo-se particularmente aos presidentes da Rússia e da China, Vladimir Putin e Xi Jinping.

"O meu objetivo é garantir que o povo japonês terá segurança em qualquer circunstância", afirmou Abe, que tinha justificado a convocação dessas eleições antecipadas pela necessidade de reforçar o respaldo popular para encarar os desafios lançados pelo regime liderado por Kim Jong-un, bem como para continuar com as reformas econômicas.

O Partido Liberal Democrata conquistou 284 cadeiras e seu parceiro Komeito, 29, o que conjuntamente os deixa acima dos 310 assentos que formam os dois terços da Câmara Baixa, composta por 465 membros, segundo os últimos dados coletados pela emissora estatal NHK.

A ampla maioria abre caminho para iniciar o complexo processo de reforma da Constituição pacifista japonesa, uma controversa iniciativa que Abe defende com o objetivo de incrementar as competências nacionais em matéria de defesa.

"Ganhamos forte maioria", destacou o premiê, que expressou a vontade de "construir sólidos alicerces e um entorno favorável para o crescimento de Japão".

O líder japonês qualificou de "histórica" a vitória de sua legenda, apesar de ter obtido um número de cadeiras ligeiramente inferior ao das eleições de 2014. Ele destacou que o triunfo representa "a primeira vez, em mais de 50 anos, que um partido recebeu apoio tão continuado dos eleitores".

Leia a notícia no Diario de Pernambuco