• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Internacional Cingapura tem uma mulher como presidente pela primeira vez A vencedora declarou hoje à imprensa que a sua função de governante é representar todas as raças, crenças e comunidades

Por: Agência Brasil

Publicado em: 11/09/2017 14:52 Atualizado em: 11/09/2017 14:55

"O mais importante para mim será trabalhar em colaboração com todos os cingapurianos", acrescentou a política, formada em Direito. Foto: Mark Cheong/The Straits Times/EFE
"O mais importante para mim será trabalhar em colaboração com todos os cingapurianos", acrescentou a política, formada em Direito. Foto: Mark Cheong/The Straits Times/EFE

A muçulmana Halimah Yacob será a primeira mulher a ocupar o cargo de  presidente de Cingapura, após a Comissão Eleitoral anunciar nesta segunda-feira (11) que sua candidatura foi a única a preencher todos os requisitos para as eleições presidenciais de 23 de setembro. A informação é da EFE.

A comissão previa anunciar os candidatos aprovados, dos cinco que se postularam, na próxima quarta-feira, mas ao invés disso declarará Halimah como a nova chefe de Estado. Ela sucederá de forma automática Tony Tan, que foi o sétimo presidente de Cingapura.

A vencedora declarou hoje à imprensa que a sua função de governante é representar todas as raças, crenças e comunidades e atuar como "força unificadora", segundo a emissora Channel News Asia. "O mais importante para mim será trabalhar em colaboração com todos os cingapurianos", acrescentou a política, formada em Direito.

Halimah nasceu em 1954 em Cingapura, filha de um muçulmano de origem indiana e de mãe malaia. Casada e mãe de cinco filhos, iniciou sua vida política no Partido de Ação Popular (PAP), que governa o país desde 1959, e chegou ao Parlamento em 2001.

Em 2011, ela assumiu o Ministério de Esportes, Juventude e Desenvolvimento Comunitário e dois anos depois ocupou a presidência do Parlamento. No mês passado, renunciou à presidência do Legislativo e se desligou do PAP para poder concorrer às eleições presidenciais.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.