• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Guines Morre em Israel o homem mais velho do mundo aos 113 anos Enviado a Auschwitz durante a Segunda Guerra, Kristal foi resgatado do campo de concentração com apenas 37 quilos

Por: AFP - Agence France-Presse

Publicado em: 11/08/2017 18:34 Atualizado em:

O Guinness o reconheceu como o homem mais velho do mundo em março de 2016. Foto: Shula Kopershtouk
O Guinness o reconheceu como o homem mais velho do mundo em março de 2016. Foto: Shula Kopershtouk


O sobrevivente do Holocausto Yisrael Kristal, identificado pelo Livro Guinness dos Recordes Mundiais como o homem mas velho do mundo, faleceu nesta sexta-feira (11/8), aos 113 anos, informou a imprensa israelense.

A família deste judeu praticante, que nasceu em 15 de setembro de 1903 em Zarnow, na atual Polônia, não pôde ser contatada ainda por causa do shabbat, dia sagrado da semana para Israel.

"Yisrael Kristal morreu na sexta-feira, um mês antes do seu 114º aniversário", indicou o jornal israelense Haaretz em sua edição on-line.

O Guinness o reconheceu como o homem mais velho do mundo em março de 2016.

A decana da humanidade é a jamaicana Violet Brown, nascida em 10 de março de 1900, de acordo com o Gerontology Research Group, um centro de pesquisas americano que busca e certifica as pessoas mais velhas do mundo. 

Segundo o site Ynet, Kristal deixa dois filhos, nove netos e 32 bisnetos.

Em setembro de 2016, celebrou seu Bar Mitzvah, uma das cerimônias mais importantes no judaísmo, já que não pôde fazer isso um século antes.

Kristal sobreviveu à Primeira Guerra Mundial e viveu em Lodz, na Polônia recém-independizada, até a invasão nazista, em 1939. Foi deslocado a um gueto da cidade e, quatro anos depois, o enviaram ao campo de concentração de Auschwitz.

Durante o Holocausto, perdeu a esposa e dois filhos. Segundo o Guinness, quando os Aliados liberaram os campos de concentração, Yisrael pesava apenas 37 quilos.

Foi o único sobrevivente da sua família e emigrou a Haifa, no norte de Israel, com sua segunda esposa e seu filho em 1950. Lá, teve uma próspera empresa de doces até se aposentar.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.