• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Saúde Dezessete países foram afetados por ovos contaminados Há granjas "bloqueadas" em quatro países, nos quais "se confirmou a presença da utilização ilegal desse produto"

Por: AFP - Agence France-Presse

Publicado em: 11/08/2017 10:49 Atualizado em:

As investigações realizadas na Bélgica e na Holanda se aceleraram na quinta-feira. Foto: minree/Pixabay
As investigações realizadas na Bélgica e na Holanda se aceleraram na quinta-feira. Foto: minree/Pixabay


Quinze países da União Europeia (UE), Suíça e Hong Kong foram afetados pela crise dos ovos contaminados - anunciou a Comissão Europeia nesta sexta-feira (11).

Na UE, os países atingidos são Bélgica, Holanda, Alemanha, França, Suécia, Reino Unido, Áustria, Irlanda, Itália, Luxemburgo, Polônia, Romênia, Eslováquia, Eslovênia e Dinamarca, disse um porta-voz do Executivo europeu à imprensa.

Há granjas "bloqueadas" em quatro países, nos quais "se confirmou a presença da utilização ilegal desse produto": Bélgica e Holanda, origem da crise, além de Alemanha e França, segundo a mesma fonte.

Os demais integrantes da lista "receberam exportações procedentes desses quatro países", acrescentou.

A Comissão anunciou ainda que fará uma reunião com representantes desses países, em 26 de setembro próximo, para "tirar as lições" do episódio.

No centro dessa crise está o uso de fipronil por parte de empresas especializadas na desinfecção de propriedades agrícolas.

O caso veio à tona na semana passada, provocando a retirada de milhões de ovos de supermercados alemães e holandeses.

As investigações realizadas na Bélgica e na Holanda se aceleraram na quinta-feira, o que levou à detenção de dois diretores de uma empresa que teria usado essa substância em galinheiros para tratamento contra o piolho vermelho.

O fipronil está presente nos produtos veterinários utilizados em animais de estimação contra pulgas e carrapatos, mas seu uso é proibido em animais destinados ao consumo e à indústria alimentícia na União Europeia (UE). Em doses altas, pode provocar problemas neurológicos e vômitos.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.