• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Violência Almagro adverte militares venezuelanos por 'crimes contra humanidade' Os confrontos já deixaram centenas de feridos e detidos, incluindo 159 levados a cortes marciais, segundo a ONG Fórum Penal

Por: AFP - Agence France-Presse

Publicado em: 16/05/2017 19:57 Atualizado em:

Quatro manifestantes morreram baleados nas últimas 24 horas em meio aos protestos contra o presidente venezuelano. Foto: RONALDO SCHEMIDT/AFP
Quatro manifestantes morreram baleados nas últimas 24 horas em meio aos protestos contra o presidente venezuelano. Foto: RONALDO SCHEMIDT/AFP


O secretário-geral da Organização dos Estados Americanos, Luis Almagro, exortou nesta terça-feira as Forças Armadas venezuelanas a deter a "repressão" contra as manifestações opositoras, advertindo que os assassinatos e as torturas constituem "crimes contra a humanidade".

"As Forças Armadas não podem seguir matando e torturando as pessoas impunemente", disse Almagro em um vídeo no site da OEA.

"O assassinato e a tortura por motivos políticos, por pensar diferente, é crime contra a humanidade, crime internacional".

Quatro manifestantes morreram baleados nas últimas 24 horas em meio aos protestos contra o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, totalizando 42 óbitos em seis semanas de manifestações.

Oposição e governo se acusam mutuamente pelas mortes, que até o momento não foram completamente esclarecidas. 

Mas a Guarda Nacional Bolivariana tem sido um ator principal nos incidentes, reprimindo os protestos com bombas de gás lacrimogêneo, balas de borracha e jatos d'água. Os manifestantes respondem lançando pedras, coquetéis molotov e outros objetos contundentes.

Os confrontos já deixaram centenas de feridos e detidos, incluindo 159 levados a cortes marciais, segundo a ONG Fórum Penal.

"A Guarda Nacional Bolivariana e seu comandante, general Benavides Torres, são diretamente responsáveis pela repressão que tem assassinado, prendido e torturado", afirmou Almagro.

Segundo Almagro, "a repressão brutal mostra a Guarda Nacional como autora material da violação dos direitos à vida, liberdade e garantias ao devido processo. Atrás de cada detido, de cada preso político, atrás de cada torturado e de cada morto, há um responsável institucional", concluiu Almagro.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.