• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Vítimas Guerra no Iêmen já matou 1,4 mil crianças Cerca de 2 mil escolas estão fora de uso desde a escalada da guerra no país

Por: AFP - Agence France-Presse

Publicado em: 11/01/2017 11:05 Atualizado em: 11/01/2017 11:12

Criança do Iêmem é alimentada em Bani Hawat, no dia 9 de janeiro de 2017. Foto: Mohammed Huwais/AFP/Arquivos
Criança do Iêmem é alimentada em Bani Hawat, no dia 9 de janeiro de 2017. Foto: Mohammed Huwais/AFP/Arquivos

Sana - Cerca de 1,4 mil crianças iemenitas morreram e cerca de 2 mil escolas estão fora de uso desde a escalada da guerra no Iêmen, em março de 2015, anunciou nesta quarta-feira, em Sanaa, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef). "Desde a escalada do conflito, as Nações Unidas verificaram que cerca de 1,4 mil crianças foram mortas e mais de 2.140 feridas", declarou à imprensa a representante do Unicef no Iêmen, Meritxell Relano.

"Quase 2 mil escolas no Iêmen não podem ser usadas porque foram destruídas, danificadas, usadas para abrigar famílias deslocadas ou para fins militares", acrescentou. Relano cita como exemplo a morte confirmada na terça-feira de uma criança perto de uma escola ao norte de Sanaa durante um ataque aéreo que feriu outras quatro. Um oficial militar iemenita e uma fonte médica forneceram números diferentes para o ataque atribuído à coalizão árabe liderada pela Arábia Saudita, evocando cinco mortos, incluindo duas crianças, e 13 feridos.

O ataque teve como alvo um mercado perto da escola al-Falah no bairro de Nihm, ao nordeste da capital, sob controle dos rebeldes xiitas huthis. "As escolas deveriam ser zonas de paz, santuários onde as crianças podem aprender, crescer, brincar e estar em segurança", acrescentou o representante do Unicef. Ele voltou a pedir a todas as partes em conflito e àqueles que têm influência sobre os protagonistas para "proteger as crianças e parar os ataques contra infraestruturas civis".

1.363 crianças-soldados 
Relano também pediu aos beligerantes para facilitar a entrega de ajuda humanitária e impedir o recrutamento de crianças-soldados. Segundo ela, 1.363 crianças foram recrutados pelas partes em conflito no país. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o conflito no Iêmen já provocou mais de 7.350 mortos e 39 mil feridos em 20 meses, números que incluem civis e combatentes.

Esta guerra opõe os rebeldes huthis apoiados pelo Irã às forças pró-governo apoiadas pela coalizão árabe sob a liderança saudita. Relano também detalhou as intervenções do Unicef no ano passado para ajudar as crianças no Iêmen, "apesar da difícil situação no terreno", e os seus planos para 2017. Segundo ela, em 2016, o Unicef prestou assistência médica a mais de um milhão de crianças menores de cinco anos, bem como para mais de 550 mil mulheres grávidas ou amamentando.

O Unicef contribuiu para uma campanha de vacinação contra a poliomielite que atingiu quase 5 milhões de crianças e tratou 237 mil outras por desnutrição aguda. A organização planeja aumentar em 2017 esse número para 320 mil e oferecer assistência médica a 1,3 milhão de crianças.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.