• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Guerra » EUA intensificam planos de ataque contra a Síria Governo americano deseja obter poder de fogo maior e atingir as forças dispersas do regime sírio de Bashar al-Assad

AFP - Agence France-Presse

Publicação: 08/09/2013 14:11 Atualização:

Manifestantes protestaram no sábado da Casa Branca até o Capitólio em Washington contra a guerra na Síria. Foto: Nicholas Kamm/AFP
Manifestantes protestaram no sábado da Casa Branca até o Capitólio em Washington contra a guerra na Síria. Foto: Nicholas Kamm/AFP
O Pentágono prepara um ataque de três dias contra a Síria, mais intenso do que o previsto, informa o jornal Los Angeles Times, enquanto uma fonte do governo disse à AFP que o exército americano se adaptará às circunstâncias.

Segundo uma fonte do Departamento de Defesa consultada neste domingo (8/9) pela AFP, a intensidade e o objetivo do ataque contra a Síria não mudaram nas últimas semanas, mas as forças americanas poderão adaptar-se em caso de necessidade.

"Seguimos adaptando nossos objetivos à medida que o governo sírio adapta os seus", declarou a fonte, que pediu anonimato.

De acordo com o Los Angeles Times, as autoridades militares americanas planejam agora um ataque intenso com mísseis, seguido por outros menores contra alvos que não atingidos na primeira ofensiva.

Duas fontes entrevistadas pelo jornal afirmaram que a Casa Branca pediu a ampliação da lista de objetivos a atingir para incluir "muitos mais", depois de uma primeira relação de 50 alvos.

A decisão foi motivada pelo desejo do governo americano de obter um poder de fogo maior e atingir as forças dispersas do regime sírio de Bashar al-Assad.

Os estrategistas do Pentágono consideram agora usar bombardeiros da Força Aérea, além de cinco destróieres americanos, que atualmente patrulham o Mediterrâneo, para lançar mísseis de cruzeiro e mísseis ar-terra, fora do alcance das forças de defesa sírias, destaca o jornal.

O porta-aviões USS Nimitz, que inclui três destróieres, está posicionado no Mar Vermelho e também pode lançar mísseis de cruzeiro contra a Síria.

"Teremos vários lançamentos e avaliações de cada um, mas todos compreendidos em um período de 72 horas, e uma indicação clara quando terminarmos", disse ao LA Times uma fonte próxima da equipe de trabalho.

A intensificação do planejamento militar acontece no momento em que o presidente americano Barack Obama se prepara para apresentar pessoalmente as razões pelas quais acredita na necessidade da intervenção, como resposta ao ataque químico de 21 de agosto nas proximidades de Damasco, supostamente executado pelo regime sírio.

Na segunda-feira, Obama concederá entrevistas aos principais canais de televisão do país.

As entrevistas, que serão exibidas à noite, acontecerão um dia antes do presidente discursar à nação, antes da votação no Senado, que iniciará na segunda-feira um debate sobre a intervenção dos Estados Unidos na Síria.

Obama deseja um ataque restrito com uma quantidade estabelecida de alvos a bombardear, segundo o jornal.

Em meio a dúvidas se a intervenção americana seria suficiente para reduzir as capacidades militares de Assad, um oficial disse ao jornal que a operação planejada seria mais uma "demonstração de força", que não mudaria fundamentalmente a situação no campo de batalha.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.