• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Fashion A inspiradora trajetória da transexual nordestina que encantou o mundo da moda Valentina Sampaio é, aos 20 anos, nome recorrente nos desfiles e se prepara para estrelar um filme

Por: Matheus Rangel

Publicado em: 28/05/2017 10:05 Atualizado em: 30/05/2017 10:25

"Vi comentários preconceituosos logo depois das primeiras reportagens começarem a sair, mas procuro não me abalar com isso", disse a modelo. Fotos: Gabriel de Moura/Divulgação
"Vi comentários preconceituosos logo depois das primeiras reportagens começarem a sair, mas procuro não me abalar com isso", disse a modelo. Fotos: Gabriel de Moura/Divulgação

A cerca de 31,5 km da capital do Ceará, Fortaleza, o município litorâneo de Aquiraz conta com pouco mais de 78 mil habitantes. Em Paris, do outro lado do oceano, uma cidadã nascida e criada nesta pequena cidade nordestina entrou para a história como a primeira transexual a estampar a capa da revista de moda mais conceituada do mundo, a Vogue Paris. A trajetória bem-sucedida de Valentina Sampaio, de apenas 20 anos, vai na contramão do destino malfadado de parte das pessoas LGBTT no Brasil: apenas em 2016, foram cerca de 340 mortes motivadas por preconceito, de acordo com levantamento divulgado pelo Grupo Gay da Bahia, número recorde na história do país.

Ela, contudo, driblou as estatísticas e agora se junta a nomes como Carol Marra, Lea T. e Carmem Carrera na representação de uma nova voz para aqueles cujas oportunidades geralmente são relegadas ao descaso. "Eu já fui alvo de preconceito, mas isso não me derrubou. Segui em frente e procurei ser mais forte do que ele. Eu diria que todos precisam ter força porque a situação das trans é difícil e delicada. Muitas vezes não temos voz", avalia a modelo. "Vi comentários preconceituosos logo depois das primeiras reportagens começarem a sair, mas procuro não me abalar com isso. Me preocupo em absorver as coisas boas", completa.

Apesar dos casos pontuais de discriminação, como a vez em que teve um trabalho negado por uma marca descrita por ela como "conservadora", Valentina diz não ter vivenciado uma infância conturbada ou uma relação conflituosa com os pais no despertar da transexualidade, constatada por volta dos 8 anos após uma visita ao psicólogo - a mãe é professora e o pai, pescador.

"A minha infância foi a melhor possível. Cresci rodeada pelos meus irmãos e tenho pais maravilhosos. São a minha base. Vê-los felizes é muito gratificante para mim. Mesmo estando longe, estou sempre conectada a eles, que acompanham tudo e estão muito orgulhosos. Enchem meu coração", emociona-se. Floresceu a personalidade e surgiu o nome Valentina, agora conhecido em todo o mundo pelo pioneirismo na publicação, cuja importância reverbera tanto na moda quanto no ativismo. "Espero que essa discussão ajude de alguma forma a construir um futuro mais digno e humano. Esse assunto está sendo cada vez mais falado e estamos dando voz e oportunidade a pessoas que muitas vezes não tinham. Precisamos de mais respeito pelo próximo, para aceitar que todas as diferenças são enriquecedoras", pontua a jovem.

Há aproximadamente cinco anos atuando profissionalmente como modelo, a cearense tem no currículo marcas reconhecidas, como as brasileiras Água de Coco, Morena Rosa, Schutz, Melissa, Skunk, EVA e as internacionais Armani e L’Oreal, da qual é embaixadora. Foi com essa última empresa, aliás, que a carreira de Valentina decolou em ascensão meteórica. Antes disso, chegou a se matricular em arquitetura em uma faculdade de Fortaleza, mas deixou o curso para estudar moda - graduação que também precisou abandonar para se dedicar às passarelas e aos ensaios fotográficos.

A visibilidade, proporcionada pelas participações em vitrines do mercado fashion brasileiro, a exemplo do Dragão Fashion, Minas Trend e São Paulo Fashion Week, resultaram na proposta irrecusável da Vogue. "Estava em São Paulo quando minha agência, a JOY Model, me comunicou que, dentro de cinco dias, eu precisaria estar na Europa para a sessão de fotos. Foi uma grande surpresa", relembra ela. O ensaio para a publicação francesa ocorreu em Londres sob o comando de Mert Alas e Marcus Piggot. Entre um clique e uma pausa para retocar a maquiagem, não houve espaço para nervosismo: "A equipe me fez sentir bastante à vontade. Logo que vi os resultados dos primeiros cliques, fiquei ainda mais animada. Não faltaram momentos divertidos. Eles foram muito atenciosos e profissionais", afirma.

O entrosamento tende a ser o mesmo em outros trabalhos, dentro do Brasil ou fora dele. A modelo vive na ponte aérea entre o país e a Europa para dar conta da demanda, mas o sacrifício é recompensado. "Tenho trabalhado bastante e sou muito grata ao que tem acontecido. Tem sido uma repercussão grande e muito positiva", sentencia. De olho no mercado internacional mas sem deixar de prestar atenção à casa, Valentina avalia o cenário brasileiro de moda como promissor - "O Brasil tem muita identidade e cultura para mostrar. Temos muitas pessoas talentosas" -, embora se furte a citar nomes. Focando na sua terra natal, o Nordeste, a ponderação segue positiva, porém breve: "É uma terra muito rica em talentos e com muito para mostrar".

Na agenda, além de desfiles e ensaios fotográficos, Valentina tem marcada para o segundo semestre a estreia da comédia Berenice procura, a primeira incursão pelo cinema. Dirigido por Allan Fiterman (Verdades secretas), o longa-metragem narra a história da taxista que dá nome ao filme, interpretada por Cláudia Abreu. A personagem costuma ouvir na rádio o programa policialesco e sensacionalista do ex-marido Domingos (Eduardo Moscovis) e decide se dedicar ao caso do assassinato de uma travesti no Rio de Janeiro, cidade em que é ambientada a produção. Valentina interpreta Isabelle, uma cantora. Para ela, foi uma "experiência maravilhosa" que pode se repetir em breve, já que há a vontade de enveredar pela profissão de atriz.

Nos cinemas ou no "habitat natural", as passarelas, o futuro de Valentina Sampaio promete ser repleto de superlativos. Até o momento, no entanto, é incerto e se desenhará a partir dos projetos nos quais decidir embarcar. "Tudo é muito novo para mim. Estou no começo da minha trajetória e meus sonhos são os mais lindos. Pretendo realizá-los, um a um. A única certeza é que ainda há muito para fazer. Procuro sempre estar focada e fazendo meu melhor, sempre com profissionalismo", planeja.

Pioneirismos
A projeção mundial alcançada por Valentina Sampaio encontra paralelo, em diferentes escalas, na visibilidade obtida por pessoas cuja trajetória virou bandeira pela valorização da liberdade sexual. Lea T foi a primeira trans brasileira a estampar a capa de uma revista de grande circulação no país, a Elle, em dezembro de 2011.

Caroline Cossay, inglesa, atuou em um filme da franquia 007 e chegou a posar para a revista Playboy "como mulher", mas, em 1981, um tabloide revelou a sua transexualidade e a carreira foi afetada. A tailandesa Peche Di fundou, em 2015, a primeira agência voltada para modelos transexuais do mundo, a Trans Models NYC.

O clique
Valentina foi fotografada para a Vogue Paris de número 975 por Mert Alas e Marcus Pigot. A diretora, Emanuelle Art, celebrou: "Estamos orgulhosos"



Acompanhe o Viver no Facebook:



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.