• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Moda Confecções do Agreste têm nova rodada de negócios Evento começa nesta quarta-feira em Gravatá e a expectativa é a de vender 20% mais peças do que na última edição, no primeiro semestre

Por: Marina Meireles

Publicado em: 28/07/2015 20:33 Atualizado em: 28/07/2015 20:39

Rodada segue até a sexta-feira, em Gravatá. Foto: Divulgação
Rodada segue até a sexta-feira, em Gravatá. Foto: Divulgação
Mesmo com as vendas em baixa no comércio, empresários do setor de confecções de Pernambuco esperam um segundo semestre próspero. Desta quarta-feira (29) até a sexta (31), cerca de 100 marcas do segmento irão participar da 9ª Rodada de Negócios do Agreste Pernambucano, evento voltado para empresários do Polo de Confecções do estado e clientes do varejo nacional. A edição acontece no município de Gravatá, no Hotel Canariu’s.
 
A previsão de faturamento para essa edição gira em torno de R$ 25 milhões, projeção que repete o número do evento realizado no primeiro semestre devido à crise econômica. Ainda assim, são esperados mais clientes e mais produtos comercializados do que na última edição. “Queremos atrair 20% a mais de clientes e aumentar em 20% o volume de peças vendidas”, explica Wilma Tavares, uma das idealizadoras do evento. Somente na última rodada de negócios foram comercializadas cerca de 1 milhão de peças.

Além das tradicionais cidades de Toritama e Santa Cruz do Capibaribe, já conhecidas no mercado de confecção e venda de vestuário, municípios como Caruaru, Riacho das Almas, Limoeiro e Surubim também irão participar das negociações. De acordo com Marcelo Taulbert, da equipe de marketing do evento, algumas das cidades presentes no evento têm se destacado no mercado e vêm se consolidando na fabricação e venda de roupas de vários segmentos. “Cidades como Riacho das Almas e Limoeiro estão ganhando espaço no mercado como novos polos de jeans e de roupas infantis”, comenta.

Ainda segundo Taulbert, o evento tem 70% do faturamento obtido através da venda de jeans. Os outros 30% são distribuídos entre moda feminina, masculina, infantil, praia e lingeries, mas, para incrementar as vendas nesses setores, as marcas que têm o denim como carro chefe são incentivadas a vender outros tipos de peça para o cliente. “Queremos incentivar os fornecedores a fazerem vendas casadas”, explica.

Outro incentivo dado às marcas participantes é a inserção dos produtos na Revista Round, publicação idealizada desde a 7ª edição do evento com o objetivo de divulgar os produtos das marcas através da produção de ensaios fotográficos. “Queremos beneficiar as marcas que ainda não tinham investido na imagem”, pontua Taulbert.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.