Passarela Fluidez de gênero e 'velho oeste' entre as tendências para a moda masculina Sustentabilidade, fluidez de gênero, flower power e new western foram alguns dos destaques entre as coleções masculinas apresentadas no Hemisfério Norte para a primavera-verão 2019

Por: Larissa Lins - Diario de Pernambuco

Por: AFP - Agence France-Presse

Publicado em: 17/06/2018 18:02 Atualizado em: 15/06/2018 16:33

Homens com vestidos, saias e peitos nus cruzaram a passarela londrina no desfile da MAN. Foto: Niklas Halle'N/AFP
Homens com vestidos, saias e peitos nus cruzaram a passarela londrina no desfile da MAN. Foto: Niklas Halle'N/AFP

Encerrada na última semana, a semana de moda masculina de Londres apresentou tendências para a primavera-verão 2019, dando destaque à sustentabilidade, fluidez de gênero, ao flower power, aos trajes espaciais e às referências militares. Esvaziada de presenças relevantes como Grace Wales Bonner e Vivienne Westwood, foi protagonizada pela ascensão de novos talentos britânicos e dominada pelo sportswear e pelo streetwear.

Entre os pontos altos da temporada, a coleção do estilista chinês Xander Zhou levou à passarela um modelo masculino com falsa barriga de gravidez: vestindo proposta básica de jeans e camiseta, estampo a frase New world baby (em tradução livre, “bebê do novo mundo”). Zhou explicou nos bastidores: “Estamos preparados para dar as boas vindas a uma futura gravidez masculina”, publicou em seu perfil no Instagram. Ainda no desfile capitaneado por ele, uma das peças mais improváveis da fashion week se revelou: uma gabardina de seis mangas dispostas em forma de estrela. Não surpreendeu que sua coleção de primavera-verão 2019 levasse o nome de Sobrenatural, extraterrestre & companhia.

"Estamos preparados para dar as boas vindas a uma futura gravidez masculina", publicou Zhou no Instagram. Fotos: Niklas Halle'N/AFP
"Estamos preparados para dar as boas vindas a uma futura gravidez masculina", publicou Zhou no Instagram. Fotos: Niklas Halle'N/AFP


A excêntrica coleção assinada por Zhou foi intitulada Sobrenatural, extraterrestre & companhia. Foto: Niklas Halle'N/AFP
A excêntrica coleção assinada por Zhou foi intitulada Sobrenatural, extraterrestre & companhia. Foto: Niklas Halle'N/AFP
Mundos mitológicos e pós-apocalípticos também vieram à tona. O estilista Edward Crutchley se inspirou na mitologia contemporânea e reuniu estampas do artista francês Lucien Murat sobre um mundo pós-apocalíptico de criaturas deformadas. A coleção trouxe, ainda, inspirações japonesas e uma colaboração com uma empresa de estampas de quimonos de Quioto, lançando luz sobre a fase atual de reinvenção das tradições orientais de vestuário.

Christopher Raeburn apostou em coleção comprometida com demandas ambientais e sociais. Fotos: Niklas Halle'N/AFP
Christopher Raeburn apostou em coleção comprometida com demandas ambientais e sociais. Fotos: Niklas Halle'N/AFP


Christopher Raeburn, por outro lado, focou nas urgências da atualidade. Sob o apelo React now (“reaja agora”), revelou coleção comprometida com as demandas ambientais e sociais imediatas: especialista em moda sustentável, usou imagens de camadas polares captadas pela Nasa como pano de fundo.

Em paralelo, Liam Hodges se inspirou na natureza e lançou mão de estampas vegetais e de pele de leopardo. Sua peça mais impactante foi uma camiseta preta com uma imagem de peitoral romano usada com um capacete da guarda pretoriana (encarregada da proteção do pretório, parte central de uma legião romana onde ficavam instalados os oficiais).

Capacetes da guarda pretoriana tiveram destaque na performance idealizada por Liam Hodges. Foto: Niklas Halle'N/AFP
Capacetes da guarda pretoriana tiveram destaque na performance idealizada por Liam Hodges. Foto: Niklas Halle'N/AFP


O esperado desfile de Man - projeto que lançou a maioria da atual geração de estilistas britânicos - apresentou coleção mista com modelos masculinos vestindo saias, vestidos de noite e peito nu. O modelo transexual Munroe Bergdorf desfilou um dos looks mais aplaudidos, com uma camiseta oversized estampada com a frase "High concept character" (“personagem de alto conceito”), calçando botas pretas. Reconhecida como fonte de inspiração para a moda das ruas, a Semana de Moda de Londres – que não seria a mesma sem o toque de sofisticação britânico das escolas clássicas – passeou da alta-costura às produções esportivas. O estilista Oliver Spencer, com sua coleção de peças em linho e algodão orgânico, cores minerais e um toque de sensibilidade hippie, deu toque de nobreza às passarelas – das jaquetas associadas a bermudas às flores estampadas por toda parte.

Spencer apostou em peças em linho e algodão orgânico, dando sofisticação à fashion week londrina. Foto: Niklas Halle'N/AFP
Spencer apostou em peças em linho e algodão orgânico, dando sofisticação à fashion week londrina. Foto: Niklas Halle'N/AFP


Nas ruas londrinas, entre as produções capturadas por sites especializados e críticos de moda de todo o mundo, o que se viu foi o uso de tons escuros como fundo harmônico para mesclar estampas, listras e padronagens em xadrez. Echarpes, guarda-chuvas e pastas carregadas junto ao corpo deram toque de cor – azul, amarelo, bordô – ao figurino dos espectadores da fashion week. Broches, correntes, relógios de bolso e cintos com fivela metálica complementaram as composições.

>> MAIS APOSTAS: a moda do velho oeste

Ainda no Hemisfério Norte, a passagem da maison Saint Laurent por Nova York apresentou uma coleção masculina de primavera-verão 2019 com a pegada rock do estilista Anthony Vaccarello, reunindo vários elementos do western (country, cowboy) americano. Após desfilar duas vezes na torre Eiffel, dessa vez a marca YSL viajou, pela primeira vez, para Nova York. Com passarela instalada na costa de Nova Jersey, a uma centena de metros da estátua da liberdade, e tendo como fundo os arranha-céus de Manhattan. Verdadeiro fã de um desfile único para homens e mulheres desde que assumiu a direção artística da Saint Laurent, em abril de 2016, o estilista belga Anthony Vaccarello preferiu dessa vez separar os dois e apresentar somente sua coleção masculina – o que não impediu que várias mulheres desfilassem, incluindo a modelo do momento, Kaia Gerber, filha da top Cindy Crawford.

Sobre o torso nu dos modelos, colares inspirados nos indígenas americanos. Foto: Dia Dipasupil/Getty Images/AFP
Sobre o torso nu dos modelos, colares inspirados nos indígenas americanos. Foto: Dia Dipasupil/Getty Images/AFP


Meninas e meninos mostraram looks com calças escuras, em sua maioria pretas, com modelagem "skinny", usadas com botas de cowboy de couro. A famosa estética rock, introduzida na YSL por Hedi Slimane e seguida por Vaccarello, é cada vez mais presente, até na trilha sonora do desfile, que teve The Ramones, Iggy Pop e Johnny Cash. O estilista inovou ao apresentar uma série de modelos que, além de calça e botas, vestiam apenas colares inspirados nos indígenas americanos sobre o torso nu. Foi uma das várias incursões pelo universo clássico do oeste americano, foco dessa coleção. Bandanas, franjas, tiras de couro, bordados metálicos e chapéus seguiram a inspiração western. Os modelos desfilaram com segurança e um toque de ousadia para uma plateia que incluía os atores Louis Garrel e Ezra Miller e o músico Sean Lennon.

A marca YSL viajou, pela primeira vez, para Nova York. Fotos: Dia Dipasupil/Getty Images/AFP
A marca YSL viajou, pela primeira vez, para Nova York. Fotos: Dia Dipasupil/Getty Images/AFP






Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.