• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
A arte da superação Carmem Suassuna encontrou nas próteses capilares motivos para se sentir bem consigo mesma Após descobrir a alopecia androgénetica, a jovem perdeu boa parte de seu cabelo

Por: Aline Ramos

Publicado em: 20/11/2017 08:00 Atualizado em: 20/11/2017 08:49

Carmem Suassuna precisou raspar os poucos fios que ainda lhe restavam para ter uma completa aderência da prótese. Foto: Arquivo Pessoal
Carmem Suassuna precisou raspar os poucos fios que ainda lhe restavam para ter uma completa aderência da prótese. Foto: Arquivo Pessoal

Aos 18 anos idade, prestes a concluir o ensino médio e às vésperas do vestibular, Carmem Suassuna, se deparou com a queda de cabelo em excesso. Sem se preocupar muito com a situação, a jovem acreditou que este poderia ser um sintoma comum de estresse. Mas ao perceber falhas expressivas em seu couro cabeludo, o alerta foi ligado e a busca por especialistas iniciada. Após quatro anos de tentativas e de tratamentos sem sucesso, Carmem foi diagnosticada com alopecia androgénetica,  mais conhecida como calvice feminina, que é causada por uma hipersensibilidade de receptores hormonais no couro cabeludo, levando ao afinamento progressivo do fio de cabelo até a completa obstrução do folículo piloso (local onde nascem os fios).

Após o susto da notícia, Carmem Suassuna ainda precisou conviver com os olhares indiscretos a sua volta. “O ruim de lidar com o cabelo caindo, não é ver que estou ficando sem ele, mas de perceber que as pessoas ao nosso redor demonstram que algo está estranho. Enquanto, eu conversava percebia que os olhos delas não estavam prestando atenção nos meus olhos, e sim, direcionados para a minha cabeça. E como meu cabelo estava bem ralinho, isso me incomodava. A partir daí, resolvi utilizar perucas para minimizar as reações e me sentir melhor com minha aparência”, desabafa.

"Eu quero oferecer mais do que produtos e atendimento de qualidade, quero proporcionar autoestima para os meus clientes". Foto: Arquivo Pessoal
"Eu quero oferecer mais do que produtos e atendimento de qualidade, quero proporcionar autoestima para os meus clientes". Foto: Arquivo Pessoal

Em 2012, Carmem resolveu sair das perucas para as próteses capilares. Mas para isso, ela precisou tomar uma séria decisão: raspar os poucos fios que ainda lhe restavam. “Eu não tive resistência em fazer isso. Afinal, meu couro cabeludo estava muito falhado e as próteses iriam me proporcionar um aspecto mais natural e cabelo ralinho não permitia uma aderência total do material”, conta. Hoje aos 30 anos, ela não se constrange em mostrar a cabeça lisinha. “Eu faço questão de dizer e mostrar para as pessoas que eu também uso prótese e que não há nada de errado em usá-la. O importante é se sentir bem e bonita consigo mesma. No entanto, até chegar a esse ponto, eu passei por um processo árduo de aceitação e superação. Hoje, eu consigo mostrar para o mundo que eu sou careca e estou bem com isso”, afirma.

Para contar aos amigos que estava sem cabelos, Carmem Suassuna postou em suas redes sociais um GIF (um formato de imagem popular na Internet), com várias fotos com perucas diferentes e a última era ela careca. “Fiquei com receio e passei um tempo até postar. Quando eu publiquei, demorei para conferir os cometários, porque eu tinha medo do que as pessoas achariam. Ou seja, joguei a bomba e deixei. No entanto, quando eu parei para ver as postagens, eu desabei no choro, pois eu recebi muito carinho e todo esse processo me fortaleceu. Além disso, tive um apoio enorme dos meus familiares e do meu namorado. Sem eles, eu não sei como seria passar por tudo isso”, relembra emocionada.

DA NECESSIDADE SURGIU A OPORTUNIDADE
Na busca por espaços acolhedores e que oferecessem perucas e próteses capilares de qualidade, Carmem Suassuna enxergou uma nova forma de empreender

Carmem usou sua experiência para abrir um salão especializado em soluções capilares. Foto: Marlon Diego/ESP.DP
Carmem usou sua experiência para abrir um salão especializado em soluções capilares. Foto: Marlon Diego/ESP.DP
Se hoje a peruca é vista, na maioria das vezes, de forma preconceituosa, ela já foi sinal de status, elegância, estilo e prestígio. Do Egito Antigo ao seu auge, nos séculos 16 e 17, o preparo dos cabelos postiços deu à profissão de peruqueiro uma reputação única. E, pelo alto valor e raridade dos fios naturais, muitas perucas eram feitas com crina de cavalo e de bode. Atualmente, esse acessório pode até ser considerado como um “amuleto” para produzir bem estar entre homens e mulheres que sofrem com a calvice ou que estão lidando com a perda dos cabelos em decorrência de tratamentos médicos.

Em sua trajetória para entender a perda dos fios, Carmem Suassuna resolveu trilhar caminhos, que até então, não faziam parte dos seus planos. Ela investiu num curso de cabeleireira, formou-se em barbearia e se especializou em perucas, próteses e apliques. “Minha maior dificuldade quando descobri a alopécia androgenética era de encontrar um lugar aqui em Recife, que trabalhasse nesse segmento. Até achei. Mas, eu sentia a necessidade de um lugar mais acolhedor e que soubesse lidar com minha situação capilar. Diante disso, enxerguei a oportunidade de transformar a minha experiência em algo bom para outras pessoas”, enfatiza.

A especialista iniciou com atendimentos a domicílio e nessa última semana inaugurou o Carmem Beautyque, na Rua do Chacon, no Poço da Panela. “Na realidade, abrir meu próprio espaço vai além de ser só um sonho. Faz cinco anos que venho vivendo isso diariamente. Estudei bastante e me dediquei ao máximo para que o salão se torna-se uma realidade. Eu quero oferecer mais do que produtos e atendimento de qualidade, quero proporcionar autoestima para os meus clientes”, declara. Para quem está passando pelo processo da perda dos cabelos, Carmem manda um recado: “É mentira se eu disser que você não vai ficar mal com tudo isso no começo. Contudo, a partir do momento que você descobrir que a sua beleza vem de dentro e que é mais do que apenas os fios que cobrem sua cabeça, vai cair sua ficha, que podes e ficarás linda de qualquer jeito. Depois que eu entendi isso, vi que tudo pode ficar melhor e eu pude me sentir bonita de novo!”.

>>ENTENDA A DIFERENÇA ENTRE PERUCA E PRÓTESE

A prótese tem silicone em volta, uma tela super ventilada para não ficar muito quente e é presa com adesivo dupla face cola desenvolvidos especificamente para a pele. Ela dá a transparência para o couro cabeludo. Uma peruca moderna que você usa sem precisar raspar a cabeça e se desejar usar no dia a dia para um look, tem uma tela chamada front lace que em contato com a pele dá a mesma cor. Então, em qualquer lugar que você colocar vai dar a impressão de couro cabeludo.

As próteses proporcionam um resultado imediato, é mais barato que um implante capilar e é uma solução prolongada, porém não definitiva. Além disso, não há contraindicações e o procedimento é reversível. Os modelos podem ser usados por até 20 dias. Apesar das vantagens, é preciso tomar alguns cuidados com os fios, assim como acontece com os cabelos naturais. Recomenda-se lavar os fios com shampoos neutros suaves, sem sal;
evitar a aplicação de cremes e condicionadores na área próxima à base para que os fios não enfraqueçam e, consequentemente, se soltem; aplicar óleos capilares em toda a extensão dos fios para hidratar e dar maciez e proteção ao cabelo e lavar a prótese sempre após a prática de esporte e uso de piscina.

O preço das próteses varia bastante, já que a qualidade dos fios, o tamanho, comprimento, acabamento e o tipo de produção influenciam no valor final. Em geral, é possível encontrar peças a partir de R$ 600,00, enquanto a manutenção fica entre R e R. É preciso estar atento, ainda, com os produtos necessários para o cuidado do dia a dia – cola ou adesivos, removedor e loção protetora para o couro cabeludo. Eles ajudam na manutenção preventiva e ainda permitem que você visite menos o salão.

 

AS PERUCAS FAZEM A CABEÇA DAS CELEBRIDADES

A diva do pop Beyoncé possui, na verdade, cabelos curtos e bem cacheados. Porém, principalmente para shows, ela usa longas perucas que ficam intactas enquanto ela dança. Lady Gaga também aposta em cabelo fake para mudar o visual. Inclusive, ela não abriu mão da peruca nem quando teve que mergulhar em um rio gelado, em março de 2015, para ajudar a arrecadar fundos para as Olímpiadas Especiais de Michigan. A irmã mais nova do clã Kardashian, Kylie Jenner, usa e abusa do acessório para mudar o look. Inclusive, transformou isso em negócio e hoje tem sua própria marca de extensões capilares e perucas. Aqui no Brasil, a cantora Ludmilla, que recentemente assumiu seus fios naturais, utilizou por anos perucas em cores e formatos diferentes em suas apresentações.

ELES PREFEREM A NATURALIDADE DAS PRÓTESES

O tempo é cruel. Com o passar dos anos, se os homens tiverem uma genética propensa à calvície e não cuidarem do cabelo, os fios vão cair mesmo. Como a perda de cabelo é uma coisa que mexe com o ego masculino, muitas celebridades recorrem a alternativas como implante, peruca ou prótese para cobrir a cabeça, pois não querem ser carecas e mudar a imagem que já possuem. Nicolas Cage, John Travolta e Chuck Norris são alguns  dos artistas que se renderam as próteses.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.