• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Luxo Grife americana Michael Kors compra a britânica Jimmy Choo, referência em calçados de luxo A marca de sapatos é reconhecida pelo segmento de luxo e é usada por celebridades do pop à política, como Michelle Obama, Kate Middleton e Lady Gaga

Por: AFP - Agence France-Presse

Por: Diario de Pernambuco

Publicado em: 25/07/2017 17:49 Atualizado em: 25/07/2017 18:00

A grife Jimmy Choo foi posta à venda no mercado britânico e é reconhecida pelos sapatos de luxo usados por celebridades. Foto: Jimmy Choo/Divulgação
A grife Jimmy Choo foi posta à venda no mercado britânico e é reconhecida pelos sapatos de luxo usados por celebridades. Foto: Jimmy Choo/Divulgação

A marca americana de luxo Michael Kors anunciou terça-feira (25) a oferta de 896 milhões de libras (cerca de 1 bilhão de dólares) pela marca britânica de sapatos Jimmy Choo, que está à venda desde abril, de capital aberto. A Jimmy Choo é referência em calçados de luxo, uma das marcas mais reconhecidas pelos seus sapatos-desejo, calçados por nomes como Kate Middleton, Lady Gaga, Michelle Obama e Beyoncé. 

Fundada há 20 anos pelo designer de origem malasiana Jimmy Choo e uma editora da revista de moda Vogue, com uma primeira loja em Londres, a empresa Jimmy Choo fabrica sapatos de alta qualidade, usados por personalidades do meio pop, econômico, político. Em abril, dois anos após a sua entrada na Bolsa de Londres, a empresa foi colocada à venda.

O CEO Pierre Denis e a diretora criativa Sandra Choi deven ser mantidos em seus cargos na Jimmy Choo, segundo informações iniciais, o que pode assegurar que seja mantida a identidade visual da grife. 

Em nota, o CEO da Michael Kors, John D. Idol, declarou: “Estamos contentes em anunciar a compra da Jimmy Choo, uma marca icônica com uma história rica como uma casa de luxo que é líder global. Jimmy Choo é conhecida no mundo inteiro por seus calçados glamourosos e fashionistas. A empresa é uma líder em lançar tendências de moda. Seus designs inovadores e seu artesanato excepcional ressoam globalmente entre trendsetters. Acreditamos que a Jimmy Choo está apta pra um crescimento significativo no futuro e nossa companhia está comprometida em apoiar o forte apelo de marca que ela construiu ao longo dos últimos 20 anos”.

A grife de calçados foi fundada há 20 anos e calçou nomes como Kate Middleton, Michelle Obama e Lady Gaga. Fotos: Jimmy Choo/Divulgação
A grife de calçados foi fundada há 20 anos e calçou nomes como Kate Middleton, Michelle Obama e Lady Gaga. Fotos: Jimmy Choo/Divulgação


>> Em números

Segundo um comunicado, a  Michael Kors fará a aquisição em dinheiro, através da oferta de 230 pence por ação da Jimmy Choo, que está listada na Bolsa de Londres. Em números, isso representa um prêmio de 36,5% em relação ao 21 de abril, pouco antes da marca britânica anunciar que seria colocada à venda.

A marca americana informou que não pretende aumentar o valor da sua oferta pela Jimmy Choo, a menos que outra empresa entre no páreo e a cubra. Michael Kors disse que obteve o compromisso do principal acionista da Jimmy Choo, a empresa de investimento com sede em Luxemburgo, Luxo JAB, que detém 67,66% da participação.

Ele também pretende manter a atual direção da Jimmy Choo, e quer apoiar o desenvolvimento da empresa através da abertura de novas lojas e vendas online. “A Jimmy Choo é uma marca de luxo icónica, que oferece sapatos notáveis, bolsas e outros acessórios", ressaltou Michael Kors, presidente honorário e responsável pela criação da marca que leva seu nome, em comunicado.

>> SAIBA MAIS: as marcas

A Jimmy Choo tem mais de 150 lojas em todo o mundo e está presente nas lojas de departamento mais prestigiadas do planeta. Em 2016, a empresa atingiu um volume de negócios de 364 milhões de libras, e um lucro líquido líquido de 15,4 milhões de libras. A marca Michael Kors foi lançada em 1981 e é conhecida pelos seus acessórios e a sua linha prêt-à-porter. Listada na Bolsa de Nova York, está presente em mais de cem países, com vendas anuais de 4,5 bilhões de dólares.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.