• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
A queridinha da moda A trajetória da modelo pernambucana Fernanda Oliveira Da cidade de Abreu e Lima, a top ganhou destaque na edição da São Paulo Fasion Week N42 e atualmente é o rosto exclusivo da Yves Saint Laurent

Por: Aline Ramos

Publicado em: 03/07/2017 07:00 Atualizado em: 30/06/2017 13:50

O primeiro trabalho de Fernanda como modelo foi para o estilista pernambucano Cris Moura. 
Foto: Cris Moura/Divulgação
O primeiro trabalho de Fernanda como modelo foi para o estilista pernambucano Cris Moura. Foto: Cris Moura/Divulgação
 

Fernanda Oliveira tinha um plano em mente: ser engenheira mecânica. No entanto, a vida lhe reservará outros horizontes. Filha de pais separados, aos 8 anos de idade, ela foi morar com a mãe na Suíça. Na adolescência, Fernanda vivia na ponte área entre a terra dos famosos chocolates e queijos e o Brasil. Aos 16, a jovem voltou para Caetés I, na cidade de Abreu e Lima, Pernambuco. Esse foi o passo que mudou completamente sua vida. Ao chegar no Nordeste, Gilson viu o que até então, sua filha ainda não tinha notado, que ela poderia conquistar o mundo como modelo. Ele a levou em uma agência pequena da região, onde foi contratada. “Eu já tinha pensado no fato de ser modelo, porém nunca dei tanta importância. Mas como meu pai me levou, eu fui e comecei a gostar. O mercado em Recife é bem pequeno e, sinceramente, eu nem achava que levaria a carreira a diante. Mas estamos aí, né?”, brinca.

Na edição de N42 da Fashion Week, Fernanda participou de 11 desfiles e tornou-se destaque da temporada. Foto: Luc Braquet/Divulgação
Na edição de N42 da Fashion Week, Fernanda participou de 11 desfiles e tornou-se destaque da temporada. Foto: Luc Braquet/Divulgação
A pernambucana de sorriso fácil, chamou a atenção logo em sua primeira aparição na São Paulo Fashion Week N42 (SPFW). O cabelo cacheado curto – fruto de uma peripécia praticada em casa – e uma tatuagem de espada, no meio dos seios – uma homenagem ao pai, que teve um enfarte e quase morreu -, despertaram a curiosidade para conhecer aquela menina de traços belos e fortes. “Na época, eu estava com aplique e rolaria um show da Rihanna. Então, decidi cortar o cabelo para não ficar muito pesado e acabei fazendo a burrice de cortar mais curto do que eu queria. Quando tirei as tranças, o meu cabelo estava horrível e esse corte foi o único que dava para resolver. Chorei por dois meses. Agora eu amo, vou deixar ele assim por enquanto”, conta aos risos. As madeixas acabaram se tornando a principal marca da modelo.

Na edição de N42 da Fashion Week, Fernanda participou de 11 desfiles e tornou-se destaque da temporada. “Eu voltei para Suíça depois de um ano modelando em Recife e não fiz nada por um bom tempo. Quando decidi voltar para o Brasil conheci Léo Gomes (agente da Way Model), que é minha atual 'agência mãe'. Foi neste período, que tive a oportunidade de ir à São Paulo, onde consegui participar da semana de moda. Depois disso, fui para Paris e assinei um contrato exclusivo com a Saint Laurent. Esse foi meu primeiro job internacional”, conta. Na SPFW N43 não foi diferente. A abreu-limense, hoje com 19 anos, foi selecionada para desfilar para 16 marcas, entre elas, Juliana Jabour, Osklen, Maison Alexandrine, Tig e Apartamento 03.  “Os desfiles foram bem cansativos. Contudo, foi uma ótima experiência, pois voltei a trabalhar com gente que eu conheci na Fashion Week passada. Adorei!”, revela.

Se é pra tombar, tombei!

Fernanda figurou a polêmica campanha de outono da Yves Saint Laurent, que se tornou alvo de ativistas na França. Foto: Yves Saint Laurent/Divulgação
Fernanda figurou a polêmica campanha de outono da Yves Saint Laurent, que se tornou alvo de ativistas na França. Foto: Yves Saint Laurent/Divulgação

No final de fevereiro, Fernanda figurou a polêmica campanha de outono da Yves Saint Laurent, que se tornou alvo de ativistas na França. Nas imagens, ela veste uma meia-calça arrastão, patins e posa sentada de pernas abertas. As fotografias acabaram banidas na França pela Autoridade de Regulação Profissional da Publicidade (ARPP), por sugerir uma ideia de submissão sexual da mulher. “Não tinha nada de vulgar pra mim. Foi tudo superprofissional. O jeito como uma pessoa interpreta algo por ser vulgar é diferente para cada pessoa, cultura e país”, pontuou. A jovem integrará a próxima campanha da grife, que teve como cenário a cidade de Los Angeles, na Califórnia.

Mesmo com esse boom de novidades na carreira de Fernanda, a top se mantém com os pés no chão e pretende ampliar suas opções. “Eu vivo e respiro moda desde a SPFW N42 e quero que continue assim por muito tempo. Acho que é a coisa certa pra mim. Quero crescer ainda mais e inspirar outras pessoas a seguirem seus sonhos, fazer styling, talvez até criar uma coleção e arrasar nas fashions weeks da vida. Também penso em futuramente investir na área imobiliária. Minha meta é cuidar de outros negócios, não só moda, e já estou trabalhando nisso”, reflete. Questionada sobre a fama internacional a modelo brinca: “No momento está tudo bem. Ainda não rolou paparazzi”.

Longe das passarelas, a pernambucana gosta de produzir o seu look de acordo com o seu estado de espírito. “Meu estilo representa meu humor do dia. Então, pode variar muito. Posso sair de blusinha, short e havaianas – como também posso
demorar horas para me vestir e sair toda montada, cheia de estilo. Mas acho, que em geral sou bem street mesmo. Não sou extremamente vaidosa, até porque sempre fui meio 'tomboy'. Contudo, um salto e uma maquiagem ás vezes caem bem”, afirma.

"Meu estilo representa meu humor do dia".
"Meu estilo representa meu humor do dia".

>>FAST FASHION COM FERNADA OLIVEIRA

Qual o seu signo?
Virgem.

Qual o seu gosto musical?
Apesar de ser bastante eclética, eu tenho preferência por rap e hip hop.

Um livro?
A cabana. Não que eu seja religiosa, mas a história é incrível.

Um lugar?
Nada melhor que a praça de Caetés I.

Relacionamento?

Solteiríssima. Manda o recado! Alok. (Risos)

Família?
Sou uma lobinha solitária e não quero marido pra pegar no meu pé. (Risos)

Uma frase?
"Uma vez eu vi uma abelha se afogar no mel e eu entendi".

O que te inspira?
Acho que música e viagem são duas coisas que me inspiram muito

O que você gosta de fazer para se divertir?
Encontrar com os amigos, ir para a balada. Também me divirto muito nas viagens, porque sempre conheço gente nova.

O que não pode faltar na sua necessaire?
Um óculos escuro e um óleozinho pro cabelo ficar cheiroso e bonito.

Qual dica você dá para quem quer iniciar a carreira de modelo?

Sejam vocês mesmos. Mostrem suas personalidades. Sejam para mundo, o que vocês são para os seus próximos: nada de capa diferente do conteúdo!

>>Berço de tops

As pernambucanas Emanuela de Paula e Giselle Tigre também conquistaram espaço internacional. 
Fotos: Reprodução/Internet
As pernambucanas Emanuela de Paula e Giselle Tigre também conquistaram espaço internacional. Fotos: Reprodução/Internet

Além de Fernanda Oliveira, Pernambuco foi berço para Emanuela de Paula. Filha de um radialista e de uma dona de casa, a supermodelo nasceu e viveu até a adolescência, na cidade de Cabo de Santo Agostinho, Região Metropolitana do Recife, onde foi criada por sua tia que é doceira. A top foi descoberta durante o Shopping Recife Fashion e imediatamente foi convidada pelos organizadores do São Paulo Fashion Week para conhecer o Centro-Sul do país e investir na carreira de top. Segundo a revista Forbes, Emanuela foi a 11ª modelo mais bem paga do mundo em 2008, com ganhos estimados em 2,5 milhões de dólares. Atualmente, ela mora em New York.

Giselle Tigre também levou a beleza pernambucana para as passarelas nacionais e internacionais. A recifense ganhou projeção no mundo da moda após classificar-se entre as quatro finalistas da etapa brasileira do concurso Supermodel of the World de 1990 promovido pela Class — sua agência na época — e pela Ford Models americana. A partir daí, protagonizou campanhas e editoriais de moda em várias revistas brasileiras, assim como em comerciais de televisão, entre outras mídias. A estatura mediana de 1,65 metro de altura não possibilitou uma incursão mais a fundo nas passarelas, mas sua incrível beleza e um rosto com expressivos olhos claros, a levaram como modelo ao exterior, tendo feito vários trabalhos no Japão e em Taiwan, onde passou alguns meses. Em 2000,  Giselle recebeu o convite da Rede Globo para interpretar a professora Linda Albuquerque em Malhação e, desde então, ela dedica-se a carreira de atriz e cantora.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.