• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
O sonho tornou-se real Dinho Batista se firma como estilista e planeja sua segunda coleção para a Maison Alexandrine A estreia do fashion designer aconteceu na última edição da São Paulo Fashion Week N43

Por: Aline Ramos

Publicado em: 29/05/2017 07:17 Atualizado em: 29/05/2017 07:51

 ("Estou fazendo o que eu amo e continuo com a assessoria das tops. Não me vejo fazendo outra coisa". Foto: Dinho Batista/Divulgação)

Foi assistindo a um programa de TV, que o pernambucano Dinho Batista se encantou pelo mundo da moda em 1996. Como não tinha o apoio dos pais para seguir carreira no mundo fashion, há 18 anos, o jovem resolveu sair de Recife para tornar seu sonho real, na cidade de São Paulo. Mas, a jornada foi desafiadora. Sem recursos, na grande metrópole paulista, Dinho foi em busca de trabalho numa agência de modelos. “Quando vi que não conseguia bancar meus estudos, tive que trabalhar para sobreviver. Na época, fui assistente da mesa de bookers, atendia telefones e arrumava books fotográficos. Depois de um tempo, tive a oportunidade de dar aulas de passarela para aumentar a renda. Meses depois conheci a mãe de Fernanda Tavares, que me convidou para trabalhar com exclusividade para ela. Fui o primeiro assessor pessoal de top models no Brasil. As pessoas riam de mim e falavam que eu só segurava bolsa de modelos. Mas, foi nesta fase, que aprendi a lidar com a imprensa”, revela.

Com o passar do tempo, o trabalho de assessor pessoal foi se expandindo e ele conquistou as tops Carol Ribeiro, Michelle Alves, Cintia Dicker, Isabeli Fontana e a também recifense, Emanuela de Paula. “Eu aprendo muito com elas, tive muitas oportunidades e conheci vários lugares do mundo. São mulheres muito poderosas e seguras. Elas me emocionam e são muito focadas. Quando Emanuela de Paula entrou para o time de Angels da Victoria's Secret, no inicio da carreira, ela me convidou para trabalhar sua imagem. Fiquei muito feliz. Na época, eu trabalhava na sua antiga agência. Sai de lá para trabalhar com ela. Já estamos juntos há 10 anos. Temos uma relação muito profissional. Mas acima de tudo, somos amigos e tenho um carinho muito grande por sua família”, conta.

Mesmo crescendo em sua carreira como assessor de tops, um sonho ainda pousava no coração de Dinho Batista, ser estilista. “Sempre fui criativo, muito inquieto e sonhador. Quando descobrir a moda, vi a delicadeza, a criatividade, a forca da indústria”, explica. Na última edição da maior semana de moda do país, a São Paulo Fashion Week N43, o sonho tornou-se real. Aos 37 anos, Dinho estreou como estilista à frente da linha prêt-à-porter da Maison Alexandrine, com uma técnica autoral e artesanal, que já fazia há 17 anos, baseada em tressê com fitas de cetim e gorgorão na alfaiataria.

Para criar sua primeira coleção, intitulada Tressê, ele tomou como referência mulheres guerreiras do seu dia a dia, que exalam sensualidade nas atitudes. Foto: Dinho Batista/Divulgação
Para criar sua primeira coleção, intitulada Tressê, ele tomou como referência mulheres guerreiras do seu dia a dia, que exalam sensualidade nas atitudes. Foto: Dinho Batista/Divulgação

Para criar sua primeira coleção, intitulada Tressê, ele tomou como referência mulheres guerreiras do seu dia a dia, que exalam sensualidade nas atitudes. Na passarela, apresentou 29 looks incluindo calças, vestidos, casacos, body e coletes com cortes masculinos em tons de preto, branco, cinza, off-white e verde oliva. “Eu e Alexandra Fructuoso ficamos amigos há cerca de três anos. Ela veio da indústria farmacêutica e sempre foi uma mulher visionaria e admiradora da moda. Resolveu criar a primeira Maison de mecenato de luxo no Brasil. Assim que a Maison Alexandrine ficou pronta em setembro de 2016, ela me convidou para assinar uma coleção cápsula. Fiquei surpreso, pois eu já não tinha mais o sonho acordado de ser estilista. Tive duas semanas para pensar e resolvi aceitar o desafio de criar uma coleção de inverno em quatro meses.

Admirador da mulher contemporânea, o estilista voltou ao passado e trouxe cores, texturas e referências do universo da mulher nordestina. Transparências recatadas davam um ar sensual, mas sem ser vulgar. No desfile, Dinho contou nomes de peso que ele conquistou em sua trajetória como assessor pessoal. “Tudo aconteceu muito rápido. Elas vieram para o Brasil só para o meu desfile. Fiquei muito realizado com o resultado e as criticas pós desfile”, relembra.

A parceria com a Maison rendeu bons frutos. O estilista já está em fase de pesquisa para a coleção Verão 2018 da Alexandrine by Batista Dinho, que será apresentada na próxima edição da SPFW. “Estou fazendo o que eu amo e continuo com a assessoria das tops. Não me vejo fazendo outra coisa”, pontua.

>>FAST FASHION COM DINHO BATISTA

Um ícone de beleza?

Cindy Crawford, aos 51 anos continua maravilhosa.

O que te inspira?

Sempre a mulher.

Como você considera seu estilo?

Muito básico. Gosto de me sentir confortável, um bom jeans, tênis e camisetas.

Um lugar?

Ilhas Maldivas.

Um filme?

Callas Forever, com a atriz francesa Fanny Ardant.

Um livro?

"Os Generais de Deus" de Roberts Liardon.

Um hobby?

Natação.

O que é elegância para você?

Usar camisa de smoking com jeans. (Risos)

Uma frase?

"O temor a Deus e o princípio da sabedoria"



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.