• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Nordeste A incrível história do homem que calçou Lampião - e outras sandálias nordestinas O artesão Espedito Seleiro dá continuidade à produção artesanal das alpargatas encomendadas por cangaceiros pernambucanos ao seu pai, popularizadas em aliança com o mundo da moda

Por: Larissa Lins - Diario de Pernambuco

Publicado em: 04/05/2017 18:49 Atualizado em: 04/05/2017 14:24

Espedito Seleiro faz as sandálias de couro à mão. Os solados quadrados são feitos somente sob encomenda. O talento é coisa de família. Foto: Vimeo/Reprodução
Espedito Seleiro faz as sandálias de couro à mão. Os solados quadrados são feitos somente sob encomenda. O talento é coisa de família. Foto: Vimeo/Reprodução

“Pode me chamar de Raimundo Seleiro”, foram as palavras escolhidas pelo artesão cearense Raimundo Velozo quando, nos anos 1930, um homem desconhecido sentou-se ao alpendre do seu atelier, em Nova Olinda, na Região Metropolitana do Cariri (CE) e lhe encarou de modo intimidador. Era forasteiro, vinha de Pernambuco trazendo encomenda. “Preciso de alpargatas com o solado retangular. Daqui a um mês venho buscá-las”, determinou, entregando a Seu Raimundo um rascunho do modelo em papel. “Faço selas de couro para cavalos. Não é minha especialidade fazer alpargatas”, explicou o seleiro. Intimidado pela postura do estranho, porém, emendou: “Mas, para um amigo, dá-se um jeito…”. Ele não sabia, mas estava diante de um dos capangas de Lampião, prestes a se tornar o criador das sandálias do cangaço - hoje populares e consideradas artigo de luxo no mundo da moda.

Passadas quatro semanas, o forasteiro, de fato, regressou. Revelando sua identidade, foi recompensado com abono vantajoso: Seu Raimundo dispensou o pagamento da encomenda, temendo contrariar Lampião. O rei do cangaço lhe enviou, semanas mais tarde, um punhal de valor afetivo. “O solado retangular impedia que o bando fosse seguido. Era impossível saber, pelas pegadas, em qual direção viajavam”, explica Seu Espedito Velozo de Carvalho, o Espedito Seleiro, herdeiro de Seu Raimundo.

O modelo encomendado por Lampião era diferente do tradicional: os solados quadrados dificultavam a perseguição ao bando de cangaceiros. Foto: Vimeo/Reprodução
O modelo encomendado por Lampião era diferente do tradicional: os solados quadrados dificultavam a perseguição ao bando de cangaceiros. Foto: Vimeo/Reprodução
Há alguns anos, as alpargatas de solado retangular são produzidas apenas sob encomenda. Todas as demais têm solado tradicional. Ao longo das décadas - suficientes para o patriarca Raimundo aceitar o novo ofício e estender sua habilidade com o couro das selas às alpargatas, repassando a função ao filho -, os modelos ganharam nomes inspirados no cangaço: Lampião e Maria Bonita são os mais procurados. 

“O desenho, o formato e o recorte do couro são os mesmos da época do meu pai, mas eu acrescentei detalhes coloridos. Cada par é único. As alpargatas são feitas à mão, em cerca de dois dias”, conta Seu Espedito, homenageado neste mês no desfile da estilista cearense Gisela Franck no Dragão Fashion 2016 e pelo lançamento do livro Meu coração coroado mestre Espedito Seleiro (Editora Senac, 248 páginas). Aos 76 anos, ele coordena associação familiar de produção com 22 pessoas, entre filhos, netos, sobrinhos, noras e genros. As sandálias, que podem ser encomendadas em todo o país, custam entre R$ 85 e R$ 120. 

No cinema, Seu Espedito calçou Marcos Palmeira em O homem que desafiou o diabo (2007), dois anos após cruzar as passarelas pela primeira vez, em desfile da Cavalera na São Paulo Fashion Week. Desfilou por outras grifes, cedeu peças ao teatro e à TV. Feitas à mão, estampadas com cores produzidas artesanalmente e sem replicação, o sucesso das alpargatas pode ser explicado pela combinação entre exclusividade (a base da moda de luxo) e o valor afetivo da cultura regional. Seu Espedito sintetiza: “Gostam delas por serem únicas. Quando você vir um trabalho com cara de ter sido feito por um cabra bem sertanejo, você vai saber que esse trabalho é meu.”

>> Em Pernambuco

Vitalina
Criada há dois anos na capital pernambucana, a marca de sandálias artesanais Vitalina confecciona modelos andróginos - servem para homens, mulheres e crianças. Comandada pela publicitária Carol Dreyer e pelo fotógrafo Rodrigo Cavalcanti, a linha de produção da marca reúne 13 artesãos de Pernambuco, do Ceará e da Paraíba. “Eles trabalham com suas famílias, nas garagens de casa”, explica Carol. Cintos, carteiras, bolsas e bancos já foram somados ao estoque. “O mais especial nesse tipo de sandália artesanal é a história que existe por trás dela. Cultura, família, tradição e contemporaneidade.” Onde: Rua Olímpio Tavares, 57 - Casa Amarela, Zona Norte do Recife.

Jailson Marcos
Potiguar radicado em Pernambuco, o desginer de calçados Jailson Marcos recebe celebridades e personalidades da moda em seu atelier no Recife. O músico Carlinhos Brown é um de seus embaixadores, além da consultora e apresentadora Lilian Pacce e do estilista Ronaldo Fraga. A primeira referência dele foram justamente as sandálias calçadas pelo bando de Lampião, com releitura arrojada do estilo sertanejo. Onde: Av. Herculano Bandeira, 513, Loja 06, Galeria Joana D’Arc, Pina, Zona Sul do Recife. 

>> Museu Seleiro
No atelier onde produz alpargatas, bolsas e acessórios, Seu Espedito Seleiro mantém Museu do Couro, em Nova Olinda, no Cariri (CE). Lá, estão expostas peças icônicas da carreira, como as primeiras sandálias feitas por ele e os pares com solados retangulares como os do bando de Lampião. Onde: Rua Monsenhor Tavares, 190, Nova Olinda, CE. Informações: (88) 3546-1432

Seu Espedito Seleiro mantém as tradições e passa orientações à família, com quem divide as obrigações com o negócio. Foto: Facebook/Reprodução
Seu Espedito Seleiro mantém as tradições e passa orientações à família, com quem divide as obrigações com o negócio. Foto: Facebook/Reprodução
TRÊS PERGUNTAS: Espedito Seleiro, artesão

Seu pai gostava de contar a história de como calçou Lampião? Qual o valor dessa memória para você?
É uma história que já contei muitas vezes, mas eu gosto demais de contar. Meu pai contava sempre, também. Ele faleceu em 1971, guardava com cuidado o punhal que ganhou de presente de Lampião. Minha mãe faleceu no ano passado, com 92 anos, e continuava a guardar o punhal, que eu mesmo guardo desde então. Tem grande valor afetivo na nossa família. Meu pai era seleiro, não sapateiro. Mas aquele dia mudou seu trabalho, o de todos nós. Ele gostava de contar que quando o cangaceiro voltou para buscar a encomenda, disse que se meu pai adivinhasse quem era o dono, ganharia mais dinheiro além do preço estabelecido. Meu pai não adivinhou, é claro. Mas terminou entregando as sandálias de graça, porque todo mundo tinha medo de Lampião. 

Na sua opinião, que o seu trabalho com as alpargatas artesanais soma ao universo da moda? 
Nós fazemos peças diferentes de tudo o que é feito no mercado. Digo isso porque cada modelo tem seu formato, sua composição. Para cada uma, faço as misturas das cores e crio tons novos, que são aplicados em cada par de modo diferente. Essa coisa de ser algo único, isso é precioso, agrega sempre algo de novo à moda. Se você é estilista, tem seu estilo, seu jeito de trabalhar o tecido. Eu, como seleiro, tenho meu jeito de moldar o couro. Misturar as duas coisas, os dois estilos, produz sempre resultados diferentes. A arte, assim como a moda, se alimenta disso, dessas combinações. 

Como se dá o processo de produção? 
Compramos a matéria prima em Petrolina (PE), Campina Grande (PB), Juazeiro (BA) e Fortaleza (CE). Cada lugar tem um material diferente, que combinamos em cada sandália, dependendo do modelo. Eu já trabalhei muito, de sol a sol. Hoje fico com os desenhos, desenvolvo os modelos, reformulo, penso nos detalhes. Cuido da associação familiar, onde 22 pessoas trabalham. São meus filhos, netos, sobrinhos, noras, genros… Para uma encomenda de 30 pares, por exemplo, precisamos de 15 dias. Cada par é feito em dois dias. O solado é feito de sola ou de borracha de pneu. O couro é todo costurado à mão.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.