• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Joias Maria Duarte desperta a curiosidade com seus traços simples e inovadores Todo o processo de composição da joia passando pela criação de conceitos, rabiscos de ideias e a própria produção das peças é feito pela designer artesanalmente

Por: Aline Ramos

Publicado em: 17/04/2017 07:15 Atualizado em: 17/04/2017 07:47

Intitulada de Ciclos, a coleção vem com uma proposta de ser algo mais casual, minimalista. Foto: Lana Pinho/Divulgação
Intitulada de Ciclos, a coleção vem com uma proposta de ser algo mais casual, minimalista. Foto: Lana Pinho/Divulgação

Os adornos já eram considerados no período Paleolítico como símbolos de uma forma de linguagem e de destaque. Pedras, conchas e outros materiais eram usados como ornamentos com finalidades de talismã ou símbolo de status e poder. Contudo, não é possível precisar quando se iniciou a história da joia. Mas, sabemos que a cada ano, novos formatos e materiais são desenvolvidos para proporcionar inovação e exclusividade. Nesta busca de entender o novo e de experimentação, nasceu há sete meses, a marca recifense Maria Duarte Joalheria Contemporânea.

O universo das joias entrou na vida de Maria Duarte, 24 anos, de maneira natural e despretensiosa. “Estudava Design na Universidade Federal de Pernambuco e ganhei uma bolsa do programa Ciências sem Fronteiras para estudar no Canadá, na Faculdade de Artes e Design da Nova Scotia (NSCAD). Foi aí, onde tudo começou – do desespero de nunca ter produzido nada com as mãos até a seleção do meu primeiro anel para exposição pela faculdade. Voltei do intercâmbio e ainda tinha dois semestres para me formar em design. Resolvi usar a bagagem que eu tinha trazido e decidi que o meu projeto de conclusão de curso seria uma coleção de joias contemporâneas. Estudei bastante, desenhei as peças e a medida que eu ia produzindo cada uma, foi despertando em mim, uma vontade de ter algo só meu para expor minhas criações. Ao me formar criei a joalheria”, conta.

As peças vão desde anéis até acessórios de cabelo e variam de R a R. Foto: Lana Pinho/Divulgação
As peças vão desde anéis até acessórios de cabelo e variam de R a R. Foto: Lana Pinho/Divulgação
 

Em julho de 2016, Maria lançou a coleção Invento com foco conceitual. A inspiração surgiu a partir das obras da artista plástica Lygia Clark. “Nestas peças, o principal material utilizado foi a prata, muitas vezes associada a outros materiais não convencionais como espelho, linhas e imãs. Os pilares da marca fundamentam-se na multiplicidade de ideias, experimentação de materiais e complexidade de formas”, revela. Todo o processo de composição das joias passando pela criação de conceitos, rabiscos de ideias e a própria produção das peças é feito pela designer artesanalmente. “Eu crio para todas as pessoas que gostam de acessórios únicos e duráveis. Aos poucos estou começando a conhecer melhor o público da Maria Duarte Joalheria Contemporânea, portanto percebo que em geral, é um público que dá muito valor ao slow fashion, a produção local e a produtos artesanais”, avalia.

 

Já a segunda coleção recém-lançada e intitulada de Ciclos, vem com uma proposta de ser algo mais casual, minimalista. O ponto de partida para a criação foi o círculo, a forma geométrica perfeita. Que passa a ideia de um movimento contínuo e infinito, não tem início, meio ou fim, não tem orientação nem direção. “Hoje, a minha principal matéria prima é a Prata 950. No entanto, busco cada vez mais experimentar usar materiais não-convencionais aliados aos tradicionais. Para mim, essa é a importância da joalheria contemporânea, estar sempre desconstruindo conceitos da joalheria tradicional que conhecemos, uma vez que a importância e o valor estão na forma, no conceito e não na quantidade de quilates”, pontua.


A Maria Duarte Joalheria Contemporânea funciona de forma online através do site: www.mariaduartejwlr.com.br. As peças vão desde anéis até acessórios de cabelo e variam de R a R. “Pretendo ter ponto fixo de venda em Recife, tentar aumentar a produção no atelier, mas sempre com o cuidado de continuar com o processo artesanal e slow fashion que a marca propõe”, finaliza.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.